Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Recaída

Certa vez, perguntaram no meu trabalho se eu sou realmente gay. Respondi que era apenas de segunda à sexta e no horário comercial, pois no meu trabalho lido com a questão LGBT. Lendo a crônica "Recaída", de Luis Fernando Veríssimo, me recordei do episódio.

...

Recaída

A proposta era simples. Cláudia acompanharia João Carlos numa visita à casa dos seus pais, na cidadezinha onde nascera, e seria apresentada como sua namorada. Alguém o tinha visto no Rio e chegara à cidadezinha com a notícia de que ele era gay. Ele precisava provar que não era gay. 

Mas você não tem uma namorada de verdade? - perguntara Cláudia 

- Por que eu? 

Porque eu sou gay. Não tenho namorada. Tenho namorado. O nome dele é Roni. Não posso aparecer lá com o Roni. 

Mas ninguém liga pra isso, hoje em dia. Liga? 

Na minha cidade, na minha casa, ligam.

...

Cláudia hesitara. Quase não conhecia João Carlos. A ideia de passar o Natal e o ano-novo com um quase desconhecido, na casa de uma família totalmente desconhecida, numa cidadezinha inimaginável, não a atraía. Se bem que... Poderia ser divertido. O João Carlos não era antipático. E os dois se fingindo de namorados, enganando todo o mundo... Ela não tinha outros planos para o fim do ano. Nenhum desfile agendado. Seria divertido. Topou. 

No aeroporto, antes de embarcarem, João Carlos se despediu de Roni com um beijo prolongado e disse para ele não se preocupar. 

Não vá me ter uma recaída... - disse Roni, indicando Cláudia. 

Pode deixar - disse João Carlos. - Não há perigo. 

Os três riram muito.

...

Ao churrasco na casa dos pais de João Carlos, na primeira noite, veio gente de toda a região, parentes e amigos e até alguns que ninguém conhecia, para ver a namorada carioca. A notícia de que Cláudia era, além de carioca, uma bela mulher, uma modelo, se espalhara rapidamente e todos queriam vê-la, e ouvi-la, e dizer "O Joãozinho, hein? Quem diria". Os dois tinham dormido em quartos separados, João Carlos no seu quarto antigo, Cláudia com a irmã dele. A mãe do João Carlos, que via novela e sabia que aquilo era comum, não se importaria se os dois dormissem juntos, mas "O seu pai, sabe como é...". Eles sabiam como era. Não dormiam juntos, mas passavam o tempo todo se acariciando e se beijando, em casa e na rua. Provando para a cidade inteira que aquele boato de que o João Carlos tinha desandado no Rio era invenção, pura invenção. Gostava de mulher. E, a julgar pela Cláudia, gostava de grandes mulheres!

...

Foi na noite de ano-bom, depois de muito frisante no clube, depois de se abraçarem e se beijarem apaixonadamente à meia-noite para todos verem, que os dois chegaram em casa e não foram cada um para o um quarto, foram para o quarto do João Carlos, quem diria, onde se amaram durante toda a madrugada, tentando não fazer muito barulho. E de manhã, suas pernas ainda entrelaçadas com as de Cláudia, João Carlos lamentou o acontecido, e disse "Bem que o Roni me avisou...", e a Cláudia beijou a ponta do seu nariz e disse: Pronto, pronto.

...

Voltaram para o Rio no dia 2, o João Carlos silencioso no ônibus e no avião, com cara de culpa, depois de pedir à Cláudia que em hipótese alguma comentasse a sua recaída para quem quer que fosse senão o Roni ia acabar sabendo, e a Cláudia silenciosa, com o secreto orgulho de ser tão desejável, tão mulher, que provocara a recaída fatal do João Carlos, depois de prometer que não contaria nada a ninguém, que aquilo ficaria entre os dois, só entre os dois, para sempre.

...

Ainda ontem a Cláudia encontrou o Roni e perguntou pelo João Carlos e o Roni disse: 

Quem?! 

O João Carlos. Seu namorado. 

Ah, é. Está bem. Muito bem. Quer dizer. Olha aqui... Esse negócio de namorado... 

Você também mal conhecia o João Carlos. Não é? 

É. Eu... 

Ele pediu para você fingir que era o namorado dele. 

É 

O seu nome nem é Roni. 

Não. 

Cláudia sorriu. Pensando: se o João Carlos tivesse me pedido, honestamente, sem mentir, sem encenação, topa ou não topa, eu teria topado? 

Provavelmente não. Uma mulher como eu? Provavelmente não. 

O falso Roni tinha chegado mais perto e estava dizendo: 

Olha, eu também não sou gay. E se quiser, posso provar. 

Cláudia se afastou, ligeiro. Pensando: ô raça, essa masculina!

Nenhum comentário: