Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Prazer Coletivo: Luzes e Vapores

"Quero sexo, vapor, calor
Suor, toalha, peitos nus
Mas também poltrona e plateia,
Debaixo da tela e sem luz"
O Espaço Entre Homens, da Associação da Parada do Orgulho LGBT, discute, no próximo dia 20/08, o tema:

PRAZER COLETIVO: LUZES E VAPORES

Saunas gays e “cinemões”. Dois estabelecimentos a respeito dos quais homens gays não são neutros. Para uns, é puro erotismo, fantasia e aventura. Para outros, lugares de repulsa, falta de higiene, risco à saúde – e você? O que pensa a respeito?

Saunas e cinemas são opostos e similares ao mesmo tempo.

Enquanto, em uma, a claridade, o calor e o desfile sem pudor de corpos seminus ditam as regras; nos outros, o ritmo é dado pela escuridão – cortada por apenas uma fonte de luz – e pelas roupas, que, não raro, informam a origem e a profissão dos frequentadores e são retiradas apenas por breves períodos, nunca de forma completa.

Enquanto as primeiras se destacam pela disseminação em São Paulo, com a inauguração de novos e ousados espaços nos anos recentes e em bairros de elite, os primeiros, que já proliferavam em regiões decadentes, vêm sofrendo contínuas baixas diante de esforços por parte da prefeitura.

Ainda assim, eles têm pontos em comum.

Em ambos, o prazer dificilmente é algo individual, privado, escondido. Mesmo quando a penetração ocorre em espaços reservados, os ensaios, os jogos de sedução e a excitação são vividos em público e, não raro, todo o processo ocorre de forma coletiva, com a participação de terceiros, quartos, quintos ou mais!

Esses lugares, que traduzem, no dia a dia, comportamentos pouco explorados da experiência sexual de homens que fazem sexo com homens, suscitam reflexões e questionamentos.

- Seriam eles espaços libertários, em que a sexualidade encontra uma forma mais pura de expressão?

- Seriam eles lugares de informação e/ou sociabilidade, em que amizades e contatos são travados e contribuem para a inserção de gays que assim se reconheceram recentemente?

– Seriam eles lugares em que se propagam os comportamentos de risco, ou, ao contrário, em que a prática do sexo seguro é observada com mais frequência, inclusive quando comparados a relacionamentos monogâmicos?

- Quem vai, quem usa, quem transa, como, com quem e por quê?

Venha discutir com a gente esses e outros tópicos, com direito a comes e bebes e participação de frequentadores de saunas e cinemões – sem toalhas e sem telonas!

Contamos com sua presença! E, na próxima reunião, continuaremos no tema “Prazer Coletivo”, falando de sex clubs. Aguarde!

Quando?
20/08/2009, às 19h

Onde?
Praça da República, 386 - Sala 22 - Centro
01045-000 - São Paulo, SP
Tel.: (11) 3362-8266

Quem?
Adoradores de vapor, performers de palco-e-tela, garotos de programa, plateia e voyeurs, cidadãos comuns e “de bem”. Bis, tris, gays, unos, trans, homens, mulheres, héteros, lésbicas e qualquer um que queira participar.

Sugestão de Leitura
Para auxiliar na discussão sobre os cinemões: http://www.acapa.com.br/site/noticia.asp?codigo=5481

Sobre o Entre Homens
Gerenciado por Murilo Sarno, o Espaço Entre Homens é uma iniciativa da Associação da Parada do Orgulho GLBT que visa a refletir com o público gay, numa roda de conversa livre e espontânea, temas relacionados ao universo gay masculino. Todos são convidados a participar, e a entrada é franca.

9 comentários:

FOXX disse...

sempre q vc divulga essas coisas me dá vontade de morar em sao paulo...

BinhoSampa disse...

adoraria conversar, discutir sobre esses assuntos... sempre que dá...vou a saunas...era algo que não gostava e aprendi a gostar...uii!

Bjs :-)

André Mans disse...

como sempre com topicos relevantes e reais...

Paulo Braccini disse...

parabéns pela relevância do tema e pela oportunidade ... parabéns para os idealizadores da discussão ... eu por mim tenho que estes locais fazem parte da cultura gay, muito mais libertária que a cutura machista, só que não podemos perder o foco da responsablilidade e da consciência de higiene e de cuidados fundamentais com a saúde pública...

bjux

pena que não estou por aí ...

;-)

Luck® disse...

Marcos, eu iniciei minha participação no Espaço mês passado, quando Murilo me convidou e tratamos do Tema de filmes pornô gays. Devo participar novamente e então poderei lhe conhecer.

Eu jamais frequentei um ou outro evento, mas creio que a discussão me será útil. Afinal, não importa onde, os protagonistas são pessoas como eu; Temos desejos, orientações sexuais e carências de algum afeto...

Há pontos em comum e isso me interessa, até para entender o que é "liberdade" em um "espaço limitado"; o que, nestes locais, é fetiche e o que é medo de rejeição (que poderia, por exemplo, levar algum homem a investir seu tempo em um lugar onde são necessários "menos passos" (?) para saciar um desejo, etc).

Até lá!

" O PIMENTA ! " disse...

Querido, trata-se de uma discussão muito intrigante mesmo !! Alguns aderem a esses espaços por pura busca de aventuras mesmo, mas acho que a maioria esmagadora deles são pessoas reprimidas, que só podem buscar prazer nesses guetos obscuros, tudo muito rápido, muito sigiloso, sem nomes, sem telefones.....
Isso pra mim retrocede o processo de luta contra o preconceito, marginaliza e estereotipa os gays !!
Muito triste passar a vida nesses guetos !!

Fabiano (LicoSp) disse...

Pena que nesta data eu não poderei estar presente, adoraria participar da discussão ou apenas ficar de ouvinte.

Qto ao uso de locais do tipo eu acho que é como o banheirao, ajuda o fato de 2 pessoas estarem juntas e desejarem a mesma coisa, imagina se tivessemos banheiros unissex, e o machismo não fosse ainda tão grande, o que não aconteceria.

Tiago Toy disse...

Provavelmente eu vá nessa discussão, porém apenas como ouvinte, visto que nunca frequentei tais lugares.

Curiosidade grita, mas sei lá... Prefiro ser puto de boite mesmo! Só esfregação, nada de penetração.

Ótimo post!

Anônimo disse...

Se os gays fossem aceitos e bem recebidos em quaisquer espaços, como ocorre com os heteronormativos, não entenderia esta questão aqui colocada. Uma vez que ainda é - a homossexualidade- o maior preconceito que a sociedade exprime e exercita cotidianamente, estes locais possibilitam a troca de carícias, sexo, etc...para ganhar o tempo perdido que a evidente repressão impõe. Pode-se, então, nestes locais apropriados e seguros...se ir às vias de fato, se quiser e se puder...ninguém é obrigado, diga-se "en passant". Se a pessoa tem a consciência de que só quer um sexo casual (sem esperar que isto leve a casamento rs,), e sai da situação melhor do que entrou...não vejo e não há problema algum. Os discordantes, igualmente, são filhos do mesmo Deus e, se esta prática provoca-lhes repulsa, sugiro consultar um terapeuta pois antipatias violentas camuflam afinidades secretas.
Marcos