Pesquisar este blog

segunda-feira, 26 de abril de 2010

1º Grito Nacional pela Cidadania LGBT

No dia 19 de maio de 2010, será realizado o 1º Grito Nacional pela Cidadania LGBT e Contra a Homofobia, com concentração às 9 Horas, no gramado da Esplanada dos Ministérios, em frente à Catedral metropolitana de Brasília.

Em 17 de maio é comemorado em todo o mundo o Dia Mundial contra a Homofobia (ódio, agressão, violência contra Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais - LGBT). A data é uma vitória do Movimento que conseguiu retirar a homossexualidade da classificação internacional de doenças da Organização Mundial de Saúde, em 17 de maio de 1990.

No Brasil , todos os dias , 20 milhões de brasileiras e brasileiros assumidamente lésbicas, gays, bissexuais, travestis ou transexuais - LGBT têm violados os seus direitos humanos, civis , econômicos, sociais e políticos. "Religiosos" fundamentalistas, utilizam-se dos Meios de Comunicação públicos, das Câmaras Municipais, Assembleias Legislativas, Câmara Federal e Senado para pregar o ódio aos cidadãos e cidadãs LGBT e impedir que o artigo 5 da Constituição federal ( "todos são iguais perante a lei") seja estendido aos milhões de LGBT do Brasil. Sem nenhum respeito ao Estado Laico, os fundamentalistas religiosos utilizam-se de recursos e espaços públicos (escolas, unidades de saúde, secretarias de governo, praças e avenidas públicas, auditórios do legislativo, executivo e judiciário) para humilhar, atacar, e pregar todo seu ódio contra cidadãos e cidadãs LGBT.

A direção da ABGLT denuncia que o assassinato de um LGBT a cada dois no Brasil (dados do Grupo Gay da Bahia - GGB) por conta de sua orientação sexual (Bi ou Homossexual) ou identidade de gênero (Travestis ou Transexuais). E afirma a dificuldade em o Congresso Nacional aprovar lei que garanta a igualdade de direitos entre cidadãos(ãs) Heterossexuais e Homossexuais no Brasil.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

VI Parada do Orgulho LGBT de Santo André

Acontecerá no próximo dia 25 de abril de 2010, na cidade de Santo André no Grande ABC, a VI Parada do Orgulho LGBT com muitas novidades positivas para a manifestação. A primeira delas é a mudança no itinerário da VI Parada. A organização não-governamental ABCD’S – Ação Brotar pela Cidadania da Diversidade Sexual, realizadora da Parada, junto com a Prefeitura de Santo André e a Polícia Militar, desenhou novo traçado para a Parada.

Este ano a manifestação se concentra às 12h sobre o Viaduto da ACISA, próximo à Prefeitura de Santo André e caminha, a partir das 14h, pela Avenida D. Pedro II, seguindo até o Parque Celso Daniel, onde desce pela rua das Caneleiras e finaliza, às 19h na Avenida Industrial com a rua Padre Vieira. Para Marcelo Gil, presidente de honra da ABCD’S, “esse novo trajeto traz um ganho em visibilidade nacional e internacional para nossa Parada, garantindo uma das principais avenidas de Santo André”.

Pelo segundo ano a instituição vem em parceria com a Prefeitura de Santo André, que estará cedendo o apoio logístico (trânsito e segurança) e a infra-estrutura. Em 2010 a Associação também formalizou parceria com a Polícia Militar do Estado de São Paulo, que consta do material de divulgação da atividade como apoiadora institucional, construindo em conjunto todo o desenvolvimento e segurança para o evento.

A Parada abrirá um calendário de 45 dias de atividades voltadas ao publico LGBT. Serão palestras, seminários, mostras de cinema, documentários, mostrando que a diversidade sexual não está preocupada somente com a expressão do orgulho, mas sim com o conteúdo que os responsáveis querem transmitir à população em geral. É esperado um público de mais de 60.000 mil pessoas, incluindo autoridades federais, estaduais e municipais, além de artistas e celebridades que estarão presentes nos trios elétricos, prestigiando evento e vestindo a camisa de um mundo mais fraterno e justo, com respeito a diversidade de forma digna e cidadã.

Personalidades como as cantoras Maria Cristina (programa Idolos), Vanusa – eleita a Rainha Homenageada da Parada, Juliana Lima e Grupo Flor de Lis já confirmaram presença. A Rainha da Parada LGBT de Santo André será o apresentador e drag queen Léo Aguila. Salete Campari foi eleita a Madrinha da Parada e, junto com a apresentadora oficial da Parada, a drag queen Lully Fashion, também já garantiram suas presenças.

Nesse ano, a organização lança uma campanha para colocar um basta nas práticas de ódio contra os LGBTs, para tanto, a ONG também lançou folhetos informativos ao público participante com dicas de como ir à Parada e garantir sua segurança:
  • Evite levar objetos de valor (celular, câmera digital, filmadora, mp3, etc) por causa de possíveis assaltos.
  • Evite uso de bebidas alcoólicas, principalmente as de procedência duvidosa. Não beba em excesso aproveite o evento.
  • Não use drogas.
  • Preste a atenção na carteira e no dinheiro.
  • Vá sempre acompanhado.
  • Evite tumultos. Não se aproxime muito dos carros/trios elétricos.
  • Participe sem medo, seja você hétero, homo ou bissexual.
  • Respeite todos os participantes e sua diversidade.
  • Seja feliz, aproveite tudo e ajude a comunidade LGBT a conquistar seus direitos.
Serviço:

VI Parada do Orgulho LGBT de Santo André e Região do ABC
25 de Abril de 2010, a partir das 12 horas
Viaduto ACISA esquina com a Rua da Catequese – Bairro Jardim – Santo André

quinta-feira, 22 de abril de 2010

A Dor da Perda

Perder o afago de uma mãe, é sempre uma dor irreparável. Ao ver o choro de Roberto Carlos, após saber da morte de sua mãe, fiquei comovido e mesmo ainda tendo a minha mãe no meu cotidiano, me compadeci e senti, pelo menos um pouco dessa dor. O cantor completou em 20/04, 69 anos anos e sua mãe morreu com 96 anos. Considero o Roberto Carlos privilegiado, por ter dito a presença da mãe por tanto tempo. Quando a minha mãe perdeu a mãe dela, ela não tinha nem 30 anos e quando a mãe do meu pai se foi, ele não tinha nem chegado aos 40. O Douglas, meu namorado, perdeu a sua mãe aos 28 anos, enfim, apesar da terceira idade estar em constante crescimento no Brasil, ainda são muitos que perdem suas mães de forma precoce.

Sempre me recordo do enterro da Dercy Gonçalves e a sua filha enlutada cercando o caixão. Dercy morreu aos 101, Dercimar, sua filha, tinha 73 quando a perdeu. Tanto Decimar, quando Roberto Carlos, minha mãe, meu pai e o Douglas, não estavam preparados para se despedir permanentemente dessa pessoa que é sinônimo de acalanto. Perder uma mãe, é perder o chão, seja qual for o momento ou idade, por mais tempo, dedicação, carinho e companheirismo que a mesma nos despendeu, nunca, em hipótese alguma, estamos prontos para uma despedida tão avassaladora.

Roberto Carlos não perdeu apenas uma mãe, ele perdeu uma fonte de inspiração, pois Lady Laura, Dona Laura ou Lalá, foi para o Rei motivos de várias canções, sem contar que todas as suas embarcações, leva o nome de sua mãe. Perder uma mãe é perder todas as referências da infância, adolescência e juventude. Hoje, considero a minha mãe, como uma grande amiga, ela não é apenas uma progenitora, pois foi além do papel de mãe e mesmo não aprovando muitas das minhas atitudes, sou aceito por ser o seu filho. Não sei qual a dor que o Roberto Carlos sente e nem a dor que o Douglas, e meus pais sentiram e por diversas vezes ainda sente, pois eu ainda tenho a presença da minha mãe e o carinho dela. Eu ainda posso gritar e sei que ela irá me ouvir.

Os filhos têm uma ligação muito forte com suas mães. Dias atrás, entrei em casa e minha mãe perguntou: O que foi? O que você tem? E disse que não era nada e fui para o meu quarto. Estava muito chateado, mas, mal coloquei o pé em casa e ela já começou a me questionar... Como ela soube que havia algo errado no instante que coloquei o pé em casa? Algumas pessoas dizem que essa ligação vem por conta da ligação do cordão umbilical. Durante 9 meses, somos parte do corpo de nossas mães, e, essa ligação ninguém pode tirar, nem mesmo a morte. Tenho certeza, que todos que já perderão suas mães, ainda se sentem ligados a elas, hoje não mais pelo cordão umbilical, mas sim pelo coração, pelas melhores lembranças que nunca se apagam.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Eleição do Conselho Municipal de Atenção à Diversidade Sexual

A eleição para o novo mandato do Conselho Municipal de Atenção à Diversidade Sexual aconteceu nessa sexta-feira, dia 16 de abril, das 16h às 19h30, no auditório da Secretaria de Participação e Parceria da Prefeitura de São Paulo. O processo eleitoral teve inicio às 16 horas com o auditório completamente lotado e terminou às 19h30 repleto de pessoas ansiosas aguardavam o resultado.

Ao todo foram contabilizados 178 votos válidos. A mudança no processo eleitoral, tornando-o mais aberto e democrático, possibilitou a participação popular e que cada candidato fizesse sua campanha transformando a eleição em uma saudável disputa. O número de eleitores, neste primeiro pleito, demonstra uma aproximação entre o poder público e a sociedade civil e o interesse em se estabelecer um diálogo permanente através do Conselho.

Segundo Franco Reinaudo, coordenador da Cads, “o sucesso da eleição nos deixou surpresos. Prova que a população LGBT quer participar na escolha de seus representantes junto ao poder público. A partir de hoje o Conselho paulistano e os conselheiros eleitos esbanjam representatividade”.

“Com a mudança da instância de eleição, a forte presença da comunidade que em peso foi apoiar seus candidatos, percebemos que o Conselho nesse último mandato não estava equivocado, e sim, sensível às necessidades e vontades de seus representantes, que se fizeram presentes, legitimando o processo.” Comentou Irina Baci, presidente do Conselho.

Eram 27 candidatos, também um número recorde, e as/os eleitas/os foram:

Lésbicas:
Débora Pereira - titular;
Hannah Korich - titular;
Fátima Tassinari - suplente.

Gays:
Dário Ferreira - titular;
Douglas Drumond - titular;
Cristiano Valério - suplente.

Bissexuais:
André Pomba - titular;
Beto Sato - titular;
Alessandro Soares - suplente.

Travestis:
Miriam Queiroz - titular;
Demais vagas vacantes, pois as candidatas não obtiveram os 05 votos mínimos, conforme artigo 20° do regimento eleitoral.

Transexuais:
Taís Sousa - Titular;
Demais vagas vacantes, pois as candidatas não obtiveram os 05 votos mínimos, conforme artigo 20° do regimento eleitoral.

Transgêneros:
Dindry Buck - Titular;
Demais vagas vacantes, pois as candidatas não obtiveram os 05 votos mínimos, conforme artigo 20° do regimento eleitoral.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Festa “Alice!” Homenageia Tim Burton

Hoje (20), véspera de feriado, ocorre a quarta edição da festa Alice!, no clube SoGo. O tema da vez é “Cinemona!”, que homenageia a obra do cineasta Tim Burton e promete uma première de seu novo filme “Alice no País das Maravilhas”. Os DJs residentes Johnny Luxo e Maicon Ribeiro revezam nos sets com os convidados Lais Pattak (Killing The Dance – Glória e Torre) e Click (Grind e Orgástica – A Lôca), garantindo a diversão da pista com muito pop, nu disco, house e outras loucurinhas. O pocket show do performer Íkaro apresenta uma versão tupiniquim do Chapeleiro Maluco, enquanto Michelly Summer vira crítica de cinema e fala suas impressões sobre o filme. Na porta, a hostess Ledah Briacho encarna a Alice; Kaká di Polly, como a Rainha de Copas, cuida do indoor; e o camarote Chandon fica por conta da diva Marcellona, que recebe os VIPs. E para entrar no clima, um pipoqueiro distribui durante toda a noite o aperitivo clássico dos cinemas.

A festa é idealizada pelo jornalista e produtor cultural Brunno Almeida, o projeto mensal “Alice!” vem se destacando na cena da noite paulista por resgatar o conceito de “clubbinho”, com festas intimistas e contextuais, marco da região dos Jardins na era clubber, onde a SoGo ainda se localiza. A festa “Alice!” acontece hoje (20), a partir das 23h, no clube SoGo (Alameda Franca, nº 1368 - esquina com a Rua Bela Cintra - Jardins). Entrada R$30,00 e R$20,00 (com flyer ou nome na lista).

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Rosas Brancas para Salomé

A memória brasileira parece formada apenas por homens e mulheres, mas há muito na História oficial que é desconhecido. Poucos sabem, por exemplo, que durante a ditadura, em plena década de 1960, entre militares, revoltas estudantis e muita repressão, viveu Salomé, uma transformista que transgrediu os valores de sua geração. A artista iniciou sua carreira nos anos 1940 e passou pelos momentos históricos mais conservadores do Brasil, sem medo de impor sua sexualidade e sua aura de artista.

E é sobre a vida dessa injustamente esquecida heroína da história LGBTT brasileira que o espetáculo "Rosas Brancas para Salomé", com Salete Campari. Escrito por Gladston Ramos, inicia temporada em 23 de abril. No palco, será mostrada ao público a alegria e os dramas de vida dessa personagem pioneira da noite gay e da batalha pelo direito de ser quem se é. Salomé desafiou uma época homofóbica e perigosa para a integridade humana em nome da liberdade e da individualidade.

Ambientada no camarim de Salomé após uma performance, a peça apresenta, em idas e vindas no tempo, fragmentos de seus melhores e piores momentos. A difícil vida de uma artista desafiadora é narrada em tom intimista, confessional e em alto astral, estado de espírito que lhe era intrínseco. Entre as melhores lembranças, está sua apresentação ao lado do ícone homossexual Madame Satã (já muito bem interpretado por Lázaro Ramos no filme homônimo de Karim Aïnouz). Salomé também conviveu com outros mitos polêmicos, como Dercy Gonçalves, Dalva de Oliveira e Elizete Cardoso.

O espetáculo não tem fins lucrativos, e seu ingresso (2 kg de alimentos não perecíveis) revertido para a Casa da Brenda Lee, casa de apoio que abriga portadores do vírus HIV que foram rejeitados por parentes e amigos ou R$10,00 para o espetáculo.



Serviço:

“Rosas Brancas para Salomé"
Teatro do Ator - Praça Franklin Roosevelt, 172 - Consolação
Estréia: dia 23 de abril, às 21 horas – sexta-feira
Todas as sextas
Ingresso: 2 kg de alimentos não perecíveis ou R$10,00 para espetáculo.

domingo, 18 de abril de 2010

Entre Homes: Sessão Cinema com o Filme Boy Culture

Amanhã, 19/04, acontece à primeira sessão de cinema do Entre Homens em 2010. O filme escolhido é o Boy Culture, que retrata a saga do garoto de programa X. X vive em um apartamento com Andrew e Joey e é apaixonado por Andrew. Joey, um adolescente inconsequente, é apaixonado por X – e, assim, os colegas de apartamento formam um tórrido triângulo amoroso. Enquanto isso, X segue passando por provações e contratempos e encontra um senhor, Gregory, que se torna seu fiel cliente e mentor e com quem o michê acaba por se envolver emocionalmente. O filme abriu o 14º Festival Mix Brasil, em 2006, e foi sucesso de público.

A sessão é aberta para todas as cores do arco-íris e os organizadores avisam que terá pipoca.

Quando
Segunda-Feira, 19/04/10, ás 19h30

Onde
Rua Santa Isabel, 198 - São Paulo, SP, perto do Metrô República.
Travessa da Amaral Gurgel, uma depois da Rua Marquês de Itu.
Telefone: (11) 3337-2028. Mapa e mais sobre o clube: www.upgradeclub.com.br
* tocar a campainha para entrar o bar estará aberto para os presentes

Sobre o Entre Homens
Gerenciado por Murilo Sarno, o Projeto Entre Homens visa a refletir, numa roda de conversa livre e espontânea, temas relacionados ao universo gay masculino.

sábado, 17 de abril de 2010

Cine Purpurina - De repente, Califórnia

Dia 18 de abril às 15 horas Casarão Brasil apresenta cinema aos domingos com o Projeto Cine Purpurina e na tela o filme “De repente, Califórnia – SHELTER”. O projeto é uma iniciativa do GPH – Associação Brasileira de Pais e Mães de Homossexuais - e é voltado a jovens LGBTTs, de 13 a 24 anos. O intuíto é fomentar à discussão e reflexão de situações da realidade dos jovens LGBTTs, por meio de obras cinematográficas.

O Projeto nasceu da vontade e da motivação dos jovens freqüentadores do Projeto Purpurina de terem um espaço para entretenimento, onde também pudessem encontrar seus amigos e discutir temas da sua realidade, tais como: namoro, relações familiares e sociais, preconceito, orientação sexual e dentre outros temas.

Sobre o Filme

O filme retrata a história de Zach (Trevor Wright), jovem cujo sonho é se tornar um artista plástico e conseguir estudar na principal escola de artes da Califórnia. Enquanto isso, ele pega altas ondas para fugir da tensão que enfrenta junto à família e a namorada. Sua vida passa a ter certo brilho quando surge Shaun (Brad Rowe), escritor bem sucedido que está em crise de criatividade e resolve voltar à cidade natal para passar um tempo e superar o trauma do fim de um relacionamento com outro homem. O moço é irmão do melhor amigo de Zach, que foi embora para cursar a universidade. Em uma tarde os moços se encontram, relembram dos tempos de adolescência e resolvem pegar ondas juntos para matar a saudade.

Logo os dois começam a trocar confidências de suas vidas. Nesse ponto o roteiro do filme acerta em cheio ao mostrar uma faceta nefasta da homofobia. Um grupo de amigos retratado no longa aparenta ser composto de jovens modernos, de bem com a vida. O bairro inteiro sabe da homossexualidade de Shaun e, quando Zach passa a andar cotidianamente com ele, a fofoca entra em cena da maneira como nós conhecemos: mesquinha e mascarada.

De cara ele ignora os comentários por se considerar resolvido sexualmente. Mas, em uma noite, na casa de Shaun, após várias cervejas, os meninos trocam beijos e entregam-se completamente a paixão. Ao acordar, ele sente repulsa e some. Mas aquele sentimento passa a perturbá-lo. Zach entende o que está sentindo, corre para casa do rapaz e eles acabam se entendendo.

Tudo se complica a partir daí. A irmã de Zach, Jeanne (Tina Holme) começa a pressioná-lo a se assumir, dizendo que não quer o seu filho Cody (Jackson Wurth), que tem o tio como referência masculina e paterna, perto de homossexuais. Nesse clima ele fica imerso numa confusão sobre o seu desejo e sufocado por um meio que não aceita a homossexualidade e, se aceita, o faz de forma debochada. O desenrolar é surpreendente.

O longa, que tem direção e roteiro de Jonah Markowitz, traça de forma muito delicada a questão do amor gay surgido no meio hétero e tem a proeza de nos fazer pensar: quantos de nós já não sentimos algo parecido por um amigo? E quantos meninos e meninas não encaram essa situação e na maioria das vezes se afastam de seu grupo para não ter que dar explicações? Talvez, a homofobia social e cordial seja a mais perversa, pois ela não mostra a cara e ataca de forma rasteira, pelas costas. Fora o roteiro bem produzido e de fácil assimilação, vale destacar a fotografia impecável de "De repente, Califórnia". Aliás, outro lado positivo é a estética do filme: sem a pretensão de ser "cult" ou "under", ela é linear e nem por isso comum. A trilha sonora também é empolgante e chega a nos emocionar em várias cenas.

Serviço:

Dia 18 deabril de 2010 - Domingo - 15 horas
Local: Associação GLS Casarão Brasil
Rua Frei Caneca, 1057 - Consolação - SP
Infone: 11 31713739
Filme : De Repente, Califórnia (Shelter)
Entrada gratuita


sexta-feira, 16 de abril de 2010

Revista A Capa - Fernando Fernandes

Sob o título “Muy Fuerte”, o modelo Fernando Fernandes estampa sua beleza no ensaio de capa da edição 32 da Revista A Capa. Neste seu primeiro trabalho para revista após o acidente automobilístico que sofreu no ano passado, o belo dá exemplo de vida e superação e traz para o centro da discussão a questão dos cadeirantes.

Em entrevista exclusiva ao editor Paco Llistó, Fernandes conta sobre as mudanças radicais que sua vida passou após a fatalidade e afirma que trabalhar como modelo é “respeito à individualidade e às diferenças” e completa que não define “ninguém pela sexualidade e sim pela personalidade”.

A subprefeita da Lapa, na cidade São Paulo, Soninha Francine conta que a nudez ainda é motivo para escândalos e como foi a repercussão das suas fotos para a Playboy na esfera política, fala sobre aborto e que não pretende voltar à televisão enquanto estiver na política.

A revista traz ainda reportagem com a cantora britânica Ellie Goulding e as tendências pop, a festa paulistana Balada Mixta e sua mistura de estilos e a corrida como alternativa para o sedentarismo e aborta a vida de um garoto de programa vivendo na Itália e cuidados durante a depilação completam o cardápio a edição que circula nesta semana.

A revista é distribuída em cerca de 100 estabelecimentos como bares, restaurantes, saunas e clubes nos principais pontos de interesse gay de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte e Florianópolis. A revista dispõe de assinaturas semestrais que podem ser feitas por moradores de qualquer cidade brasileira com o custo de R$ 39,90.








quinta-feira, 15 de abril de 2010

Conselho Municipal de Atenção à Diversidade Sexual

Amanhã, 16 de abril, das 16h às 19h30 no auditório da Secretaria de Participação e Parceria, serão realizadas as eleições para o Conselho Municipal de Atenção à Diversidade Sexual da cidade de São Paulo, localizado na rua Líbero Badaró, 119. Para votar, é necessário ser municipe da cidade de São Paulo e comprovar tal condição apresentando comprovante de residência ou o titulo de eleitor do municipio de São Paulo. Se candidataram gays, bissexuais, transgêneros, travestis e transexuais que militam na causa LGBT.

Antigamente os conselheiros eram indicados pelo Fórum Paulista LGBT e para tornar a escolha mais democrática e inclusiva, foi adotada a participação de toda a sociedade na escolha. O Conselho tem como principal missão assessorar e acompanhar a implementação de políticas públicas de interesse da comunidade LGBT na cidade. Conta com representantes da sociedade civil desse segmento e representantes de diversas secretarias da prefeitura, como Educação, Saúde, Direitos Humanos, Guarda Civil Metropolitana. A principal missão é assessorar e acompanhar a implementação de políticas públicas de interesse das pessoas LGBTTT no município de São Paulo.

Cada pessoa poderá votar em um único candidato ou candidata que represente sua orientação sexual ou identidade de gênero mediante a apresentação de comprovante de residência e RG. Segue abaixo relação de candidatos:

Lésbicas:
  • Adriana Silva - Militante, empresária e possui um espaço onde comercializa acessórios pensados e desenvolvidos especialmente para o público LGBT.
  • Débora Pereira - Estudante de Serviço Social, Débora é militante há três anos. Atualmente é secretária do Coletivo de Feministas Lésbicas, ativista da ABL (Associação Brasileira de Lésbicas) e da ABLGBT e foi relatora do encontro de travestis da região sul.
  • Fátima Tassinari - Consultora de diversidade sexual e foi uma das responsáveis pelo planejamento estratégico da Associação da Parada do Orgulho LGBT em 2000.
  • Hanna Korich - Sócia da primeira e única editora lésbica da América Latina, a Malagueta. Advogada, especialista em direito homoafetivo.
Gays:
  • Cristiano Valério - Pastor da Igreja da Comunidade Metropolitana de São Paulo e ativista LGBT.
  • Dário Ferreira - Formado no curso de Letras pela Capes - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Memórias do cotidiano e saberes sujeitados. Participou do Conselho no período de 2008/09 como representante dos gays.
  • Douglas Drumond - Presidente do Casarão Brasil, espaço dedicado a abrigar associações e organizações LGBT que desenvolvem projetos socias para a comunidade.
  • Nilton Paiva - Presidente da Associação Brasileira de Turismo para GLS, instituição dedicada ao turismo para o segmento.
  • Ricardo Conte - Sem informações adicionais.
  • Thales Coimbra - Estudante, 19 anos, Thales cursa a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Atualmente preside o Geds (Grupo de Estudos de Diversidade Sexual).
Bissexuais:
  • Alessandro Soares - Sem informações adicionais.
  • André Pomba - Formado em Jornalismo, editor da revista Dynamite, DJ e produtor de eventos. Desde 2000, promove o evento Mix Music, que reúne público e artistas da cena GLS. Sua dedicação e envolvimento com a cultura e a diversidade sexual lhe rendeu diversos prêmios.
  • Beto Sato - Publicitário e jornalista, com especialização em Direitos Humanos e Gestão de Políticas Públicas na Procuradoria Geral do Estado de São Paulo. Integra o Comitê Intersecretarial de Defesa da Diversidade Sexual, da Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual, da Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo e foi conselheiro do Conselho de Atenção à Diversidade Sexual da Prefeitura de São Paulo.
Travestis:
  • Alcione Carvalho - Militante ativista, conselheira de saúde do Campos Elíseos. Já atuou como palestrante em diversos encontros e cursos de capacitação voltados para o segmento LGBT.
  • Bianca Cereja - Estudante de Moda. Realiza oficinas de moda para travestis e transexuais, auxiliando em em seu desenvolvimento profissional.
  • Cláudia Wonder - Militante, conhecida nacionalmente pelo público LGBT. Sua visibilidade se deu, não só pela sua ligação com as arte, como também na luta pelos direitos do segmento LGBT. Claudia também escritora, performer e cantora. No cinema já atuou em mais de dez filmes, clipes musicais e peças de teatro.
  • Miriam Queiroz - Presidente da Associação Correndo Atrás Miriam que auxilia o segmento LGBT na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e orienta sobre direitos das travestis e transexuais.
Transexuais:
  • Leonardo Moreira - Sem informações adicionais.
  • Thaís Souza - Assistente social do CRD (Centro de Referência da Diversidade). Como ativista participa de grupos e atividades relacionadas à inclusão de transgêneros.
Transgêneros:
  • Dindry Buck - Formada em Publicidade e Propaganda, Dindry é jornalista, design, maquiadora e atriz. A drag sempre participa e promove atividades do segmento LGBT.
  • Nina Cash - Drag militante que participa ativamente em ações contra o preconceito. Sua presença na cena LGBT está não só ligada a atividade artística como também na luta pelos direitos da população LGBT.
  • Renata Peron - Cantora, ativista e militante do segmento LGBT. Em São Paulo, Renata é conhecida pelas suas atuações em atividades sociais como o Diversidade nas Praças.
  • Salete Campari - Formada em matemática, Salete é uma reconhecida ativista, se candidatou a deputada estadual e vereadora em 2008.Salete é famosa por suas performances como drag queen.
  • Suzi Di Amante - Militante ativista do Instituto Ser Humano de São Paulo. Atualmente é conselheira do Conselho Municipal de Atenção à Diversidade Sexual.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Também é um Passageiro do Mundo Quem...

Um passageiro do mundo que faz todo o dia o mesmo trajeto poderia quase que "automatizar" o processo e deixar de enxergar os detalhes de sua viagem.

Ainda bem que essa possibilidade não é a única!!!

Conheço um Passageiro do Mundo que exercita seu olhar. Olha a paisagem que passa e com ela se distrai, se comove, se põe indignado!

Mas olha também para o veiculo que o transporta. Por vezes o compara com um veículo que será possível somente em um futuro próximo! Noutras vezes, compara com veículos que estão distantes, mas já existem hoje e funcionam melhor que aquele onde está.

E esse passageiro, penso, só tem a ganhar! Olhares atentos...

Ah, ele também é generoso e convida a outros tantos para embarcar nesta viagem. Tolos daqueles que sequer aproveitam o convite - que seja por uma vezinha só.

Então, para saber o que você está perdendo, porque você não dá uma olhada. Vá até o ponto, experimente!


Vai ver, você também embarca e corre o risco saudável de não se deixar viciar, cegar?

*Uma homenagem do Blog Sampa da Mãe Joana.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Associação em Defesa da Heterossexualidade

Semana passada, entrei num blog de teor estritamente homofóbico e que trata alguns assuntos que em determinados momentos me fez crer que eu havia deixado o meu corpo e tinha entrado numa realidade paralela, num mundo virtual. O blog trata de um assunto, que custo acreditar na existência, fala de uma "Associação de Defesa Contra a Discriminação de Heterossexuais" e até significou o termo heterofobia como "aversão a pessoas ou atos heterossexuais. O termo hétero é usado como forma abreviada de "heterossexual", e fobia significa medo ou aversão."

A Associação, anuncia que presta "tratamento" para homossexuais deixarem a "doença homossexualismo" e que conta com parceiros no Brasil inteiro para atender os interessados. Creio que essa iniciativa infringe a lei 10.948, sancionada pelo ex-governador e atual candidato a presidência da república José Serra e caso haja "profissionais" envolvidos na reversão de homossexuais, todos os parâmetros estabelecidos pela OMS estão sendo contrariados. A proposta da Associação fere o direito de livre expressão de todos os cidadãos, quando dizem que irão combater o marxismo e o socialismo de esquerda. e ameçam com processos judiacias todos que foram contra suas ideologias. Até Marx, que deixou grandes contribuições, tornou-se alvo de fundamentalistas. Eles concluem dizendo que a sua principal atuação será na defesa da sociedade, família, casamento, criança e idoso.

A (des)Organização também cita uma pesquisa feita por Stephen M. White e Louis R. Franzini, indicando que há mais sentimentos negativos e heterofobia por parte de pessoas homossexuais e eles validam essa pesquisa com base nos emails que eles recebem e nos blogs que eles visitam, ou seja, são dados infundados, que levam em consideração apenas a rede de contatos de homofobicos e que buscam por tais conteúdos. Seus argumentos são infundados, acusam os gays de heterofobia, mas em contrapartida são os gays que são surrados nas ruas e mortos por terem uma orientação sexual diferente do que a heteronormatividade estabelece. A Associação em Defesa da Heterossexualidade é uma afronta ao movimento gay e a todos os direitos - apesar de poucos - que conquistamos até hoje. Dizer que as crianças tem que serem protegidas das influências dos gays é incitar o ódio e validar todas as agressões que o cidadão homossexual sofre socialmente.

Temos que nos mobilizar e criar ações impeditivas na manutenção dessa organização que prega a homofobia e se regozija com a anulação social do cidadão homossexual. Temos que defender a laicidade do Estado, pois tal organização é fruto de investidas de parlamentares como Carlos Apolinário, que apresentou o projeto de lei que institui o "Dia do Orgulho Hétero". Nessas eleições, vamos limpar nossos legislativos de tais parlamentares que não tem compromisso com os direitos humanos.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Las Bibas From Vizcaya Estreia Residência em Nova Festa da SoGo



No próximo domingo (11), a partir das 23h, o clube SoGo inaugura a festa Toddy, do produtor cultural e jornalista Brunno Almeida, tendo como set residente o projeto Las Bibas From Vizcaya. Para a estreia, a casa apresenta a edição especial “Gran Circo Toddy”, com decoração e performances circenses. Ao lado de LBFV, estão nas pickups o DJ Mauro Borges e os convidados Augusto Rossi, produtor do MixBrasil e revista Junior, o beautystylist Lu Ramos e o estilista Walério Araújo, que comemora seu aniversário. No lounge, a revista Junior promove o lançamento da sua 16ª edição.

Apesar de ser conhecido por suas músicas e mixagens irreverentes, por seus vídeos e dublagens no YouTube e por seu badalado poadcast, todos retratando a cultura gay sob um humor ácido e sagaz, poucos ainda sabem que o Las Bibas From Vizcaya é o alterego do DJ e produtor Geroge M. Com 25 anos de carreira, sendo 16 no exterior, esta é a primeira vez que o LBFV fixa residência. “Já havia recebido outros convites, mas nenhuma proposta me chamou a atenção, pois já eram projetos que tinham vida própria. Para entrar em algo, queria que fosse desde a primeira noite, pra ver crescer, expandir, e claro, dar a minha cara e a minha marca: muita diversão!”, diz o DJ.

Sobre o que reserva para esta nova empreitada, o LBFV adianta que seus sets estarão recheados de muito house fino, elegante, alegre e comercial, mas sem cair na mesmice. “Parece difícil, né? Mas não é. Na Toddy meu lema será: calcinha no chão e sutiã no teto!”, acrescenta.

A Última Gota de Energia da Semana

É assim que Brunno Almeida define sua mais nova investida na cena gay de São Paulo. Idealizador do projeto mensal “Alice!”, que tem se destacado por seu conceito e criatividade, o produtor agora aposta em mudar a cara das noites de domingo. Além da boa música, a proposta principal do projeto “Toddy” é trazer uma temática lúdica e bem humorada para a última balada da semana.

“Todo o universo de clubinho, com festas temáticas e intimistas, que é a característica do meu trabalho, estão presentes na ‘Toddy’. A festa ‘Alice!’ é voltada para os modernos, fashionistas e pessoas que gostam ou tenham alguma ligação com moda e estética. Já a ‘Toddy’ tem um viés mais teenager, focada no desejo infantil pela diversão”, explica Almeida.

Mensalmente, a “Toddy” apresenta uma edição especial, a “Gran Circo Toddy”, com ambientação inspirada nos estética dos circos mambembes itinerante. Além da decoração, haverá malabaristas, pirofagistas e equilibristas se apresentando durante a festa e brindes especiais distribuídos a todo o público. A primeira ocorre neste final de semana, abrindo a programação do projeto.

A festa “Toddy” estreia neste domingo (11), a partir das 23h, no clube SoGo (Alameda Franca, nº 1368 - esquina com a Rua Bela Cintra). Entrada R$20,00 e R$15,00 (com flyer ou nome na lista).

Serviço:

Estreia “Toddy” / Gran Circo Toddy
Domingo, 11 de abril, a partir das 23h
SoGo (Alameda Franca, nº 1368 - esquina com a Rua Bela Cintra)
(11) 3061-1759 / 3088-5737
www.sogo.com.br

Line Up:
Las Bibas From Vizcaya (residente)
Mauro Borges (residente)
Augusto Rossi (revista Junior)
Lu Ramos (Bodyography)
Walério Araújo (b-day)

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Jornal Lampião da Esquina é Restaurado por ONG LGBT

Nesta sexta-feira (9) às 18h30, na sede da Aliança Paranaense pela Cidadania LGBT (convite abaixo), acontecerá o lançamento da coleção restaurada e digitalizada do Jornal Lampião da Esquina, que circulou de 1978 a 1981 e foi dirigido à população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) em plena ditadura militar.

Ricardo Lima, Secretário Substituto da Identidade e da Diversidade Cultural, do Ministério da Cultura, estará presente no lançamento e falará sobre as políticas do ministério nesta área.

A Associação Paranaense da Parada da Diversidade, através de emenda parlamentar apresentada pelo deputado federal Dr. Rosinha (PT/PR), recebeu financiamento do Ministério da Cultura para executar em parceria com o Grupo Dignidade o projeto “Lampião da Esquina”, que teve por objetivo a restauração e digitalização do jornal, a fim de promover o acesso a conhecimentos sobre manifestações culturais LGBT.

Segundo Toni Reis, presidente da ABGLT – Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais “é fundamental resgatar a memória da cultura LGBT. Temos muito a aprender com a nossa própria história.

Várias personalidades – algumas da atualidade – contribuíram para a elaboração do Lampião há 30 anos, entre elas: Aguinaldo Silva, Caio Fernando Abreu, Gasparino da Matta, Darcy Penteado, João Silvério Trevisan, Wilson Bueno, Peter Fry e João Antonio Mascarenhas.

Em seu livro “Devassos no Paraíso”, João Silvério Trevisan afirma que o Lampião era um “fato quase escandaloso para as pudicas esquerda e direita brasileiras, acostumadas ao recato, acima de tudo. Lampião vinha, bem ou mal, significar uma ruptura”. Ruptura no sentido de que o jornal foi inédito em tratar abertamente de temas antes “considerados ‘secundários’ – tais como sexualidade, discriminação racial, artes, ecologia, machismo – e a linguagem empregada era comumente a mesma linguagem desmunhecada e desabusada do gueto homossexual” (id.).

Agora, o material considerado marco importante na “abertura política” no Brasil, será disponibilizado para consulta no Centro de Documentação Histórica Professor Dr. Luiz Mott, localizado na sede da Aliança Paranaense pela Cidadania LGBT. O periódico teve 01 edição n° “zero”, 37 edições sequenciais e mais 03 edições “extras”, totalizando 41 edições.

O jornal também foi digitalizado e está à disposição para consulta pela internet, no endereço: www.grupodignidade.org.br

Serviço:

Lançamento da Restauração do Jornal Lampião da Esquina
Data: 6ª-feira, 09 de abril de 2010 às 18h30
Local: Aliança Paranaense pela Cidadania LGBT
Av. Mal. Floriano Peixoto, 366, cj. 46 (Praça Carlos Gomes)

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Corrida ao Senado

A primeira pesquisa de intenção de voto para senador em São Paulo realizada pelo Datafolha mostra a ex-prefeita Marta Suplicy (PT) na liderança, com grande vantagem em relação aos principais adversários, a candidata petista aparece com 43% das intenções de voto. A seguir, com 25%, vem o senador Romeu Tuma (PTB), que concorre à reeleição. Logo após estão o ex-governador Orestes Quércia (PMDB), com 22%, e o vereador e cantor Netinho de Paula (PC do B), com 19%. A ex-vereadora Soninha (PPS) se destaca em quinto lugar, com 18%.

Foram pesquisados também os nomes do vereador Gabriel Chalita (PSB), que tem 8% das intenções de voto, do chefe da Casa Civil do governo José Serra, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), com 6%, e de Ricardo Young (PV), ex-presidente do Instituto Ethos, com 3%.

A eleição de outubro renovará duas das três vagas ao Senado. Hoje, além de Tuma, São Paulo é representado pelos petistas Aloizio Mercadante, que será candidato ao governo de São Paulo, e por Eduardo Suplicy, reeleito em 2006. O mandato é de oito anos. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Não podemos esquecer que a petista Marta esteve na primeira colocação daspesquisas para a prefeitura de São Paulo durante toda a campanha, mas nas urnas a candidata se comportou de forma diferente. Na corrida eleitoral, tudo pode acontecer, e, a tendência maior é que a briga entre Romeu Tuma, Quércia, Netinho e Soninha fiquem acirradas para a definição do segundo lugar e nesse meio tempo, não ficarei surpreso se a Marta ficar em terceiro lugar.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Ato de Repúdio Contra Célia Marcondes

Na quinta-feira, 8 de abril, às 14h30, você tem um compromisso inadiável com a sua cidadania. Célia Marcondes, conhecida por sua perseguição contra gays e lésbicas, estará prestando esclarecimentos na Assembléia Legislativa. Vai ser uma oportunidade única de mostrar que estamos unidos em favor da diversidade e que repudiamos todos os ataques feitos por ela e seu grupo, com o objetivo de enfraquecer nossos direitos.

Célia Marcondes é representante da Samorccm (Associação dos Moradores de Cerqueira César), filiada ao PV, partido no qual ela concorreu a vereança em 2008 e foi derrotada com 1876 votos. A oposição de Célia Marcondes a comunidade gay não é recente, em maio de 2001, ela recolheu assinaturas pedindo o fechamento de estabelecimentos do "quarteirão gay" (entorno da Consolação, onde se localizava a Ultradiesel e o Allegro Bar). Em julho de 2003, Célia acusou que pessoas ligadas a Ultradiesel, que na ocasião tentava reabrir a boate na Rua da Consolação, estavam a ameaçando de morte, na mesma época, Ricardo Morellato, dono da SoGo, acusou Célia de homofobia e disse que a associação no qual ela preside estava enviando cartas para os proprietários dos imóveis alugados para os estabelecimentos gays reclamando dos transtornos que os mesmos causavam na região. Célia assumiu a autoria das cartas e concluiu: "O problema não é ser gay. É ser baderneiro".

Em julho de 2008, Célia, em nome da Samorccm, novamente manifestou a sua oposição contra comunidade gay sendo contraria a tematização gay da Rua Frei Caneca, e, argumentou dizendo: "Por que na Frei Caneca, gente? Tem um padre ali, tem uma igreja". Agora perguntamos: O Bairro da liberdade também tem padre e igreja e deixa de ser um bairro temático japonês? Temos que fazer presença no auditório Franco Montoro e dizer basta a homofobia declarada de Célia Marcondes, nos gays não podemos nos calar, temos que acompanhar de perto o que ela tem a declarar à Comissão de Direitos Humanos da Assembleia sobre suas tentativas de fechar de estabelecimentos GLS. Temos que nos organizar e não permitir que a situação do gay no Brasil seja mais restritiva do que a atual. Temos que ser cidadãos políticos e participativos para dizermos não a homofobia


Dia: 8 de abril, quinta-feira
Horário: 14h30
Local: Auditório Franco Montoro
Onde: Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo
Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral n.º 2001

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Clube 269 Celebra Seus 3 Anos

O já aplaudido Clube 269, aberto há 3 anos, é a maior Sex & Bath Club do Brasil e um autêntico SPA dedicado à alegria e à sensualidade, tendo já se transformado em referência de lazer em São Paulo para homens que querem estar entre homens. Cuidar da mente e do corpo depois da sauna a vapor, tomar aquela ducha refrescante nos chuveiros automáticos e se deixar relaxar na hidromassagem com cromoterapia da Jacuzzi.

Assim começa o dia do cliente do Clube 269, que na próxima terça-feira dia 6 de abril das 18 às 23 horas, será diferente, os clientes estarão celebrando com a equipe 269 o seu 3º ano, com muitas novidades , atrações e brindando com coquetel especial para a data.

O Clube 269 reflete essa imagem e resume tudo isso em um lugar só. Clube 24 horas. Um lugar para relaxar ouvindo boa música. Caras interessantes, tudo isso junto. Localizada no melhor quilômetro quadrado da região da Avenida Paulista, a 269 dispõe de uma infra-estrutura sem precedentes no país – apesar de todos os outros clubes masculinos, quem a conhecer simplesmente não se contentará com menos.

Para festejar estes três anos a equipe 269 produziu e preparou uma super festa com exposições, instalações artísticas entre outras novidades para seus clientes. Sobe os olhares atentos de Edilton Calixto (gerente geral), a 269 neste ano de 2010 trará novidades, mais segurança, higiene e conforto para seus clientes.

Exposição Fotográfica - UNDERWEAR

Exposição concebida por Marcelo Hirata, Editor/Jornalista de moda, hoje residente entre São Paulo e Londres. Editor e sócio da www.mcmag.co.uk em Londres e no Brasil, foi convidado pela equipe do Clube 269 a realizar um trabalho de sua autoria para o aniversario de 3 anos do Clube.

Este trabalho veio na inspiração de estar mostrando a sensualidade do homem junto com seus desejos mais íntimos. Em cima desta idéia, Marcelo Hirata concebeu um ensaio fotográfico, sendo que ele mesmo fotografou, editou e produziu tudo. Com apoio da Foch e já dando vazão a nova Boutique 269 by Rafael Vicente, trata-se de um ensaio sobre Underwear e fetiche.

Deliro, Sensualidade, Desejo, Imaginação e Fantasia, Marcelo realizou este ensaio fotográfico para este dia especial de comemorações, desejando que todos sintam um pouco de cada um destes sentimentos com as fotos e com a exposição dentro da festa.

Confunda-se entre o real e o imaginário e divirta-se! Todos os modelos da exposição fotográfica estarão presentes no Clube, brincando com a realidade e o imaginário do desejo e mexendo com o fetiche de cada um. As fotos estarão à venda em prol a Associação GLS Casarão Brasil!

Paulo Pinno

Artista plástico que já viveu em algumas cidades do mundo com sua arte, tem em sua bagagem artística alguns dos melhores cursos de artes do exterior, como: Braziers Adults College , Ipsden Oxford/England e Escola de arte de Firenze, criou duas instalações em homenagem 269 o melhor templo de prazer masculino de São Paulo em toda sua virilidade.

As obras:
  • 1ª obra no Hall do Clube: I’L Desidério - Virilidade, Eternidade, Abundância, sonho - Medidas: 013 cm x 0,31cm x 0,17
  • 2ª obra espaço do bar: Pueri A Cyatho – Período 45 a.c Roma antiga . Escolhido por sua bela aparência que tinham permissão de manter os cabelos compridos (criados particularmente bonitos também podiam ser empregados para satisfazer as necessidades sexuais dos comensais) Medida 90,0 cm x 0,70 cm x 1,10 cm
Serviço:

Clube 269 Celebra seus 3 Anos
Data: 06 de abril de 2010 – terça
Horário: das 18 às 23 horas – coquetel
Local: Clube 269 – aberto 24 horas
Rua Bela Cintra, 269 – Consolação
Infone: 11 3873.2050
clube269@uol.com.br
www.clube269.com.br

domingo, 4 de abril de 2010

Literatura Espalhada

Em comemoração ao Dia Mundial do Livro, equipe do “Literatura Espalhada”, formada por alunos e professores da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) está recebendo doações de livros de Literatura para a 4ª edição que acontece no próximo dia 23 de abril (sexta-feira).

A ação tem por objetivo a distribuição de livros de literatura no entorno da instituição e em locais públicos, como as praças da República e da Sé, por exemplo. De acordo com a equipe do projeto, ação tem como único intuito, incentivar a leitura e colaborar para que as pessoas tenham acesso a estas obras. O “Literatura Espalhada” pretende contemplar também os leitores mirins e juvenis, coletando livros de interesse deste público.

Além da doação, os membros da comunidade FESPSP também estão convidados a participar da distribuição dos livros no dia 23/04. “O Literatura Espalhada” é uma experiência muito enriquecedora, pois ao sairmos distribuindo livros pela rua, especialmente nas praças, somos surpreendidos por todo tipo de reação, na maioria muito positivas e conhecemos histórias de vida inimagináveis. É um projeto que vale a pena” declarou a professora Eliana Asche, coordenadora do projeto.

As doações serão coletadas na biblioteca e no saguão do prédio da Cesário Mota Júnior, 262 (entrada principal), além do saguão da unidade General Jardim, 522 (Casarão).

sábado, 3 de abril de 2010

Polítias de Saúde para Travestis e Transexuais

As políticas de saúde pública foram o centro das discussões do seminário “Transexualidade, Travestilidade e Direito à Saúde”, promovido pela CCR (Comissão de Cidadania e Reprodução) em 24 e 25 de março, em colaboração com o Observatório de Sexualidade e Política e em parceria com o Ministério da Saúde. As questões que envolvem os processos de despatologização também se destacaram. O evento inaugurou a série Ciclo de Debates “Democracia, Estado Laico e Direitos Humanos” da CCR em 2010.

Movimento das mulheres e transexuais e de travestis, além de grupos feministas e pesquisadores, lotaram o auditório do Centro Universitário Maria Antônia, em São Paulo, para falar dos problemas relacionados ao tema enfrentados no Brasil, América Latina e em outras partes do mundo sob a perspectiva do campo do direito à saúde. O direito à saúde dos transexuais e travestis foi um dos temas centrais. De acordo com um panorama da evolução dessa questão no Brasil, a população LGBT integra o conjunto de iniciativas que constitui a política nacional de saúde integral.

Alexandre Santos, presidente da Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo e representante do Brasil na Rede Latino Americana de Homens Transexuais, denunciou a “invisibilidade dos homens transexuais”. A portaria do Ministério da Saúde não contempla as reivindicações desse grupo, e não há nenhum programa de saúde voltado aos homens transexuais, nem os de tratamento e prevenção da AIDS.

Berenice Bento, pesquisadora sobre sexualidades, gêneros e direitos humanos no Rio Grande do Norte, contestou os argumentos a favor de uma patologização justificada pelo acesso aos serviços de saúde pública, no que chama de “terrorismo retórico” e destacou a campanha internacional para a retirada da transexualidade do rol de transtornos mentais do DSM até 2012. “A patologização não dá conta de tudo, não dá conta da intersexualidade, por exemplo”, argumentou Berenice.

O cenário discutido pelo evento da CCR é apenas o começo de um trabalho contínuo de conversações que contemplam o sistema de saúde e a resposta do SUS à questão da intersexualidade, a urgência de se fazer um diagnóstico no país, o diálogo da despatologização e as questões conceituais da autonomia do corpo, que devem ser trabalhadas, assim como o binarismo de sexo e gênero – questão de modo algum esgotada, seja na academia, no movimento ou no estado.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Entre Homens: Inversão Sexual


Eles podem ser heterossexuais e preferir que suas mulheres os penetrem com dildos e dedos – ou, então, simplesmente ficam satisfeitos em usar um vestido decotado. Podem ser homossexuais e, em vez de cultivar um corpo másculo e sarado, preferirem usar uma lingerie bem sexy. Podem ser bissexuais, desde que usem perucas sedosas e adotem um nome feminino e delicado... Ou, então, simplesmente podem ser aqueles que gostam de ver outros homens curtirem essas fantasias.

O Entre Homens de Páscoa discute, no próximo dia 05/04/2010, o tema: Papéis Invertidos: Homens que Transcendem os Gêneros. Será discutido:

  • O Simbólico Feminino: o significado de uma roupa de mulher em um corpo másculo – ou nem tanto;
  • As Categorias: crossdressers, homens de calcinha, fetichistas, dominadores e submissos e outros tipos;
  • Identidades de Gênero: as transformações da renda e da seda sobre o eu – ou não;
  • Os Fãs: aqueles e aquelas que não resistem a um homem de lingerie;
  • Comportamento Sexual: até onde vai, durante a relação, o processo de "encarnação" do sexo oposto.
Com a presença de homens escolados em baby-dolls e inversões!

Quando
Segunda-feira, 05/04/10, ás 19h30

Onde
Rua Santa Isabel, 198 - São Paulo, SP, perto do Metrô República.
Travessa da Amaral Gurgel, uma depois da Marquês de Itu.
Telefone: (11) 3337-2028. Mapa e mais sobre o clube: www.upgradeclub.com.br
* tocar a campainha para entrar | o bar estará aberto para os presentes

Quem
Homens e mulheres de todas as orientações, preferências, identidades – e roupas!

Sobre o Entre Homens
Gerenciado por Murilo Sarno, o Projeto Entre Homens visa a refletir, numa roda de conversa livre e espontânea, temas relacionados ao universo gay masculino.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Verdades e Mentiras

Na vida temos dois grandes agravantes, que são: Em quais mentiras devemos acreditar? E quais são as mentiras que se tornam verdade? Já presenciei casos de mentiras repetidas por diversas vezes, que se tornaram verdade absolutas. Já vi pessoas comuns, que passaram longe de escolas de artes cênicas, chorando em meio a uma mentira. São mentiras, que para aquela pessoa se tornou verdade. Quem tem certeza absoluta que o casal Nardoni matou a pequena Isabela? Ninguém tem, pois não houve confissão e muitas das provas técnicas não são conclusivas. Não estou defendendo o casal Nardoni, pois também fiz parte do clamor popular que gritou por justiça. De certa forma, me sinto um pouco responsável pela condenação dos mesmos, pois bem sabemos que a opinião pública teve um peso gigantesco no desenrolar do caso.

Nunca, jamais, em hipótese alguma, gostaria de estar na pele de Alexandre Nardoni, pois mesmo sendo inocente, gostaria de ser condenado, preferiria a reclusão do que o convívio social e o julgamento perpetuo do povo. Se a condenação deles foi certa, fato que eu acredito, as mentiras que os Nardonis contaram foi tão bem trabalhada na mentalidade deles, que para eles, ela se tornou verdade absoluta. O caso dos irmãos Cravinhos foi diferente, naquele caso houve a confissão e os pais dos mesmos se juntaram ao clamor popular e gritaram por justiça, o que não aconteceu com a família dos Nardonis, os pais de Alexandre defenderam a inocência do filho até as últimas consequências.

Na vida, passei por muitas verdades que daria tudo para que fosse mentira, verdades cruéis, mas que no fundo fazem parte do saldo positivo da minha vida. Acredito que tudo o que sou hoje, nada mais é que a soma de todas as escolhas que já fiz, a soma de todos os erros e acertos, de todas as verdades e mentiras que já contei e/ou acreditei. Assim como no filme "Efeito Borboleta", acredito que pequenas ações realizadas de forma diferentes da real, mudaria a minha vida por completo. Hoje, namoro com o Douglas. O que aconteceria se no dia 18/05/03 eu não tivesse ido ao culto da Igreja Acalanto? Hoje, com toda certeza, minha vida não seria a mesma, não faço ideia de como, com quem ou aonde estaria, só sei que tudo seria diferente. O que nos somo, fazemos, falamos e ouvimos, define o que somos e o que iremos ser.

Hoje, gostaria que fosse mentira que eu vivo num dos países mais homofóbicos do mundo. Segundo o GGB (Grupo Gay da Bahia), fundado por Luis Mott, o decano do Movimento Homossual Brasileiro, o Brasil é o país com o maior número de homicídios contra lésbicas, gays, bissexuais e travestis, as estimativas apontam que a cada dois dias um homossexual é assassinado por homofobia. Esses assassinos não são julgados pelo crime de ódio, pois não temos legislação especifica no Brasil para tratar tais crimes, nossos legisladores não estão preocupado com isso. Hoje, gostaria de fosse mentira que os nossos legisladores pouco se importam com tais dados e fazem pouco caso da PLC 122 que está sob apreciação do senado.

Uma mentira, que eu gostaria que fosse verdade, foram ditas por Magno Malta, Silas Malafaia, Waldir Agnelo e outros políticos e líderes religiosos, esses senhores, ao fazerem campanha contra a PLC 122, disseram que não existe homofobia no Brasil, essa é uma mentira que todo o movimento gay gostaria de fosse verdade. Fico triste com o fatos, pois percebo que vivo num mundo onde a fachada se faz mais importante do que o aconchego da casa, vivemos num mundo onde nossos semelhantes mentem para proveito próprio, para o beneficio de poucos, fazem política para grupos, ignorando que o papel de legisladores é muito mais amplo que os papéis que os mesmos desenvolvem em seus grupos, esquecem que suas mentiras, contadas para beneficiar grupos, acabam ceifando a vida de muitos inocentes e quando nos contamos que suas mãos estão sujas de sangue pelas mentiras que eles contam, eles não querem acreditar nessa verdade.