Pesquisar este blog

terça-feira, 25 de setembro de 2007

COTA ZERO

STOP.





A vida parou





ou foi o automóvel?

Estou me sentindo como o grande poeta Carlos Drummond de Andrade sentiu ao escrever essa poema, parece que tudo na minha vida parou, que perdi alguns sentidos, que perdi o fio da meada, hoje estava pensando nos momentos mais memoráveis da minha vida e boa parte desses momentos passei ao lado do meu ex-namorado, um momento que não vou esquecer jamais foi quando eu ouvi a Diana King cantar ao vivo a música I Say a Little a Player For You, para mim a vida poderia Ter parado naquele momento, foi muito emocionante, ver uma cantora pela primeira vez no Brasil, em única apresentação na Sala São Paulo cantando a música que eu mais gosto, foi demais, outro momento memorável foi no aniversário de 450 anos da cidade de São Paulo, nos saímos pela cidade tirando fotos dos cartões postais da cidade, foram muito momentos que não voltarão jamais.

O grande erro das pessoas é colocar em evidencia os momentos ruins, desistir dos sonhos e perder os ideais, hoje não sei se a vida me reservara mais momentos mágicos, eu era tão apaixonado, cuidava do meu amor com muito zelo, mas as evidencias dos momentos ruins arruinaram a relação, hoje sou apenas um saudoso do amor, talvez a vida é como muitos falam: Sem amor para doar e recomeçar, não sei se nascemos para amar, as pessoas não amam para sempre, e se não for para sempre para mim não serve, como disse a Cássia Eller "O "pra sempre" sempre acaba", queria amar para toda a vida, me doar, me dedicar, fazer acontecer, proteger, cuidar, acariciar, dividir uma vida, hoje só me restaram os momentos, estou com "Cota Zero" me enquadrando no poesia de Carlos Drummond.

Queria que a minha vida fosse tão contagiante e feliz como a musica da Diana King, queria não Ter medo de mim mesmo e não Ter medo da vida, queria que fossemos aliados e não inimigos, queria dar as mãos para vida e caminhar com ela de forma pacifica e feliz,, da vida queria somente a felicidade e nada mais.... Porque metade de mim é o que eu sou, a outra metade é amor, não posso andar por ai faltando metade de mim mesmo.

4 comentários:

Fantôme disse...

Quando chegar o momento certo, você encontrará um novo amor, e esquecerá desse que foi embora. Os amores passam, mas a vida continua.

Curiosamente, hoje eu estava ouvindo essa música no rádio, e lembrei do filme "O Casamento do Meu Melhor Amigo", acho que era esse que tinha essa música na trilha sonora.

Um forte abraço e felicidades.

http://sensinterdit.blogspot.com

kore disse...

oie....

tow dando minha passada basica!!!

legaw o seu diario virtual...adorei o poema "se eu pudesse reescrever a minha vida" e tbm " O proibido é gostoso e eu adoro...". concordo com vc que devemos viver a vida intesamente, nossa, parecia ate que eu estava lendo um poko de minha vida.

bjao de vez enquanto darei uma passada aqui.

Espero qualquer dia ver um de seus poemas

Paloma disse...

Nem sei o que dizer...

... tu me emocionas demais.

Bjnhs

Paloma

Amorinha disse...

fale mais