Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Para Aslan, "BBB13" não tem homofobia e é exemplo para o Brasil

Terceiro eliminado do "BBB13", com 79% dos votos, o artista Aslan disse que não sentiu nenhum tipo de homofobia no reality e que "gostaria que o Brasil fosse como a casa do BBB".

"Não acho que tenha outro gay na casa, mas também não sou o tipo de pessoa que fica desconfiando das outras. O 'BBB' é um programa ecumênico, que mistura pessoas de várias raças, credos e sexualidade. Gostaria que o Brasil fosse como a casa do 'BBB'. Não senti nenhuma demonstração de homofobia de nenhum participante", disse o brother em conversa com jornalistas assim que deixou a casa, na noite desta terça-feira (29).

O pernambucano declarou ainda acreditar que sua saída não ocorreu por rejeição nem pela briga com Anamara, mas por uma imagem positiva que as pessoas têm de Marcello, com quem disputou a permanência.

"A escolha do público às vezes poder ser incerta, mas no 'BBB' sempre é válida. Dentro da casa levantei a bandeira da liberdade e igualdade. Não sei se a beleza do Marcello ajudou ele. Por trás dos músculos, ele tem um bom coração e uma energia boa", declarou.

Ele também citou a declaração de que não pensou em ganhar o programa possa ter influenciado na decisão do público:

"Foi uma experiência incrível, mas nunca achei que pudesse ter sido escolhido. Nunca pensei em ganhar R$ 1,5 milhão, nem nunca parei pra pensar como gastaria o prêmio. Talvez ter dito isso tenha sido um fator para o publico não me deixar na casa, mas estou muito bem aqui fora também".

A partir de agora, o artista plástico quer investir na divulgação da arte e da cultura.

"Levanto a bandeira da cultura. Acredito que a cultura e a educação podem salvar esse país. Quero continuar a trabalhar com a minha arte seja ela pintura, performance ou como DJ e vou usar as portas abertas pelo 'BBB' para isso", afirmou.

Sobre sua reaproximação com Anamara nos últimos dias, disse que os dois têm um projeto de um livro sobre mulheres que sofreram violência domésticas, já que as mães dos dois foram vítimas. 

Fora do jogo, agora é torcedor de Kamilla, que descreveu como "uma menina linda, que tem muita energia e está sendo mal interpretada".

Nenhum comentário: