Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Vivenciando a Infância

Se todos alimentassem a criança que existe dentro de cada um, viveríamos num mundo muito melhor. Domingo, parei para assistir um pouco de televisão e pelos especiais que os programas fizeram por conta do dia das crianças, percebi o quanto que nos perdemos por conta do ceticismo que permeia o mundo. Me emocionei com o quadro “Latinha Velha” do Luciano Huck: um menino levou ao palco o seu carrinho velho e através de uma "mágica" ele transformou o seu carinho num mega carro com motor, buzina, farol, enfim, o carro tinha tudo o que um carro de verdade tem, só que o dele era de brinquedo. No palco havia uma maquina de fazer magica e a máquina só era acionada por quem acreditava em mágica, é obvio que foi a criança que acionou... Ver aquele menino ganhando o carrinho em meio ao choro me deixou comovido.

No programa “Domingo da Gente” do Netinho de Paula, teve um quadro da princesa com uma criança. A menina morava numa casa em condições precárias de sobrevivência e me cortou o coração quando ela disse que o sonho da vida dele era ter uma cama. Quando uma criança, que é portadora incondicional dos sonhos e magias do mundo não exterioriza os seus sonhos, é porque o Mundo chegou no seu limite, é porque estamos fazendo tudo errado num comportamento condicionado e repetitivo e não estamos nos dando conta que estamos destruindo o pouco de magia que nos resta. Quando uma criança fica descrente, o que resta para nós, adultos? Resta-nos pouco, um quase nada que muitas das vezes é confundido com o nada.

No sábado, levei a minha sobrinha numa loja da brinquedos para escolher um presente, ao entrar, ela deu uma geral na loja e de inicio escolheu um brinquedo bobinho, era uma árvore com algumas cestas suspensas, o brinquedo também vinha com um lançador para acertar objetos nas cestas, eu confirmei com ela se ela queria aquele mesmo, ela disse que sim, depois ela ficou em duvida se queria uma boneca que vinha numa banheira, eu disse que se ela quisesse trocar, poderia, por fim ela escolheu uma boneca chamada “Jolie”, muito bonita por sinal, depois descobri que ela adora essa boneca e todo o material escolar dela é com essa temática.

Saindo da loja, fui com ela numa doceria, comemos bolo de brigadeiro e bolinhos de queijo, na volta ela me confessou que esse foi a melhor comemoração do dia das crianças de ela teve. Eu não fiz nada demais, apenas dei uma boneca e paguei um bolo, no final, fiquei feliz por saber que apesar da Larissa estar numa casa cheia de adultos, em que ela é a única criança (tirando o bebê João Vitor que ainda é neutro), ela não perdeu a magia de ser criança. Fiquei feliz que não estamos falhando nesse sentindo e assim como o menino do quadro “Latinha Velha”, que acredita em magia, a minha sobrinha também está vivendo sua infância em plenitude.

6 comentários:

FOXX disse...

q a Larissa possa ser criança por mto tempo...

Renato Fierce disse...

Feliz dia das crianças para sua criança interior!

Alexandre Lucas disse...

Eu alimento =D

Paulo Braccini disse...

é na simplicidade e na alegria das crianças que vemos como a vida pode ser bonita e leve ...

parabéns a vc e seus sobrinhos

;-)

RoCosta disse...

Marcos sei como é essa boa sensação. Sou orgulhosa por ter conseguido manter a infância da minha filha... Tenho certeza que é o defini o adulto.
Abraços!

Anônimo disse...

Tem uma passagem no texto "O menestrel" do william shakespeare que diz assim:

"Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens…
Poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso."

reflitam...... :)