Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

A Vida em Preto e Branco

Qual é o Verdadeiro Sentido da Vida? Creio que essa é uma das perguntas mais questionadas na humanidade e que na verdade ninguém sabe qual é esse “”sentido, se é que exista um sentido exato. Se eu soubesse o sentido, não diria a ninguém, pois gostaria de chegar lá antes de todo mundo. Muitos dizem que na vida temos que andar sempre à frente, mas isso é algo questionável, e se esse “sempre à frente” for o sentido contrário? Estamos nos autodestruindo, não somos capazes de regular o ecossistema que é a única forma de garantir a nossa vida longa aqui na Terra. Somos incapazes de conter o desmatamento da Amazônia e o Aquecimento Global e de tempos em tempos uma nova profecia de Nostradamus - que anuncia o fim do Mundo - ganha espaço da mídia. O “Fim do Mundo” está iminente? Viveremos para ver esse fim? Se o fim está mesmo próximo, essas preocupações são secundaria, pois ninguém sobreviverá e ele.

Talvez, num passado remoto, alguma civilização estava no “verdadeiro sentido” da vida e essa civilização chegou lá, em algum lugar onde esse sentido nos leva, no lugar para onde todos pensam que caminham e nunca chegam. Essa civilização, acostumada com a vida nômade que estavam levando durante gerações, continuou sua jornada, buscando por outros sentidos de vida, pegando o caminho inverso ou diagonal ao antes percorrido e de lá para cá, toda a humanidade caminha desenfreadamente para a destruição, por um caminho qualquer que não nos leva as respostas que tanto buscamos. Tudo porque a humanidade se habituou a vida nômade. Acredito que o homem caminha firme até a sua auto-aniquilação, alguns se darão conta do fim e rapidamente se voltarão para o caminho contrário, esses ganharão apenas um fôlego de vida, mas o fim já estará marcado.

Às vezes duvido se existe um significado para tudo o que estamos vivendo na Terra. Talvez essas dúvidas existam por conta da destruição dos signos que serviriam para reger nossas vidas. A ciência evolui numa velocidade tão grande a ponto de termos que apertar o nosso passo para acompanhá-la, mas tudo isso a troco de que? Vemos o homem desenfreadamente procurando um elixir da longa vida, ninguém quer deixar esse mundo, talvez isso seja uma fuga, o desconhecido é aterrorizante e nenhum de nos sabemos com certeza o que encontraremos depois da vida. E se a morte for o sentido da vida? Se sim, fugimos durante toda a vida de algo que nos completaria. Na morte, espero encontrar respostas para perguntas que fiz/faço e/ou farei e se elas não forem plausíveis, não responderei pelos meus atos, seja qual for o lugar que eu estiver. Por muito tempo, busquei responder tais perguntas nas religiões, que por sua vez não me responderam, foram superficiais em suas respostas.

Não acredito que um criador criou a homem e deu a ele o livro arbítrio a fim de buscar por verdadeiros adoradores e que os verdadeiros adoradores herdarão o reino dos céus e aqueles que se recusarem a adorar o criador padecerá no inferno. Toda essa história entra em conflito com a onisciência, onipotência e onipresença. Se Deus sabe de todas as coisas (passado, presente e futuro), tem todo o poder e está em todo lugar, quando ele criou o homem ele sabia quem seria os seus verdadeiros adoradores e quem caminharia para o inferno, com base nisso: Onde fica o nosso livre arbítrio? Pelo fato de sermos pré-destinados por Deus, não existem verdadeiros adoradores, tais seres já foram criados com esse intuito. Parei com a religião quando me dei conta que o livre arbítrio vai contra a onisciência, onipresença e onipotência de Deus. Religião é uma ótima fuga para quem não consegue significar sua vida e não convive bem com algumas respostas, pois nela, quando nos as encontramos, nos firmamos que existem conhecimentos que só pertence a Deus.

9 comentários:

Fabiano (LicoSp) disse...

Temos q andar sempre a frente, mas sempre parando para refletir se é ou não o melhor caminho, imaginando na consequencias dos nossos atos.

Pena q por muitos anos, decadas e seculos não demos estas paradas e hoje pagamos por isso.

será tarde d+?

abs

RoCosta disse...

Assino em baixo e por todos os lados ;-)
Beijão!

Marcus disse...

Gostei do texto... realmente "devemos" andar sempre a frente... mas a minha frente naum eh a mesma de ninguem... pois todos tem caminhos e objetivos diferentes... pensando assim a vida naum tem um sentido unico e exato... ja que existem vidas diferentes.. mas soh pelo fato de existir, para buscarmos o sentido de viver deveriamos saber como fomos criados, e isso naum ha ainda nenhuma resposta concreta e verdadeira... Sobre o livre arbitrio, isso naum existe... somos sim capazes de escolher, mas nossas escolhas sao feitas de acordo com o meio e a cultura em que vivemos e fomos criados, fazemos nossas escolhas dentro do nosso "mundinho"... ja sobre a existencia de deus eh um assunto complexo, particulamente naum acredito... nada mais eh que um conforto, que serviu tbm como desconforto por geracoes em algumas culturas por mortes em nome de um ser INEXISTENTE... um amiguinhu imaginario? facil de ter... alias, normalmente todas criancas tem... mas eu cresci.. e espero que um dia todos crescem tbm! Temos que aprender que naum conhecemos todas as alternativas de fuga e complemento nesse mundo, sao muitas... mas soh conhecemos o caminho do 2... o certo e errado, e mal e o bem...mas o dia que a humanidade se renovar culturalmente... talvez conseguimos ter um mundo com mais de mil caminhos a percorrer.

FOXX disse...

acho q vc devia ter terminado esse texto se questionando: o mundo acaba em 2012?

Edite Melo disse...

Estou totalmente, de acordo contigo...um beijäo

Thiago Ya'agob disse...

Boa tarde, Marcos.

Seguir em frente, à frente... frente.

O foco deve ser o norte. Mas... Qual norte?
Enquanto lia seu texto, pude encontrar algumas indagações nele.

Religião é algo complexo para se debater e o ateísmo também, assim como o teocentrismo.

Cada qual possui maneiras diferentes de compreender o incompreensível. Cabe então, a nós, como seres conscientes e animados, respeitar as diferenças sem ofender os que pensam e compreendem de modo diferente.

Meu desejo é que suas perguntas possam ser sanadas inda nesta vida.

Abraços, querido.

Marcus disse...

Thiago...

Boa Noite... quando me referi "a frente" quis dizer "caminho", caminhos diferentes, se ha opnoes diferentes e caminhos diferentas, cada um cria sua "frente" ... E concordo plenamente com voce que cada um tem sua maneira individual de compreender o incompreensivel, e foi exatamente oque fiz aki, colokei a minha propria visao, naum tentando impor, mas as vezes ideias alheis servem com reflexao para pessoas, normalmente as que buscam de cabeca aberta respostas para vida...

E sobre o respeito.. tambem concordo, naum desrrespeito nenhuma religiao, ate porque qdo somos vitimas de preconceitos aprendemos a respeitar, naum eh mesmo? :)

E desejo a voce o mesmo Thiago, que suas perguntas possam ser respondidas ainda nesta vida, mas muitas naum serao... e o mais saudavel de se fazer nessas horas eh aceitar o fato do naum saber!

Boa noite, grande abraco!

Anônimo disse...

Olá amigo continuo te admirando, mas não gosto de suas críticas contra religião.O Rio de Janeiro é estremamente violento, minha cidade também acaba de entrar no rol de cidades mais violentas, uma lástima levando em consideração ser uma cidade de interior.conflitos interior teremos sempre pois dismistificar o desconhecido é nossa característica enquanto seres viventes,porém tendo nosso País como referencia não acredito ser a religião fator para tanta desgraça e sim, por estatísticas ainda é meio de autoafirmação. Não acredito nem de longe, que o tráfico no Rio de janeiro seja motivado por conflito religioso mas talves o uso excessivo de entorpecentes seja meio de fuga para quem nao consegue significar sua vida e não convive bem com suas respostas.Abração seja feliz.
gereoliver@hotmail.com

Luck® disse...

"Gato praca" o cara com mão no queixo, dentro do carro. Me lembrou tb um pouco os vídeos b/w da Madonna (Vogue?)... Viajei!!!

O sentido da vida é o maior "non-sense". Desculpe-me pelo trocadilho que mais parece uma aporia, mas como saber o sentido da vida quando ela se faz em tempo real?

A busca pela felicidade (Verdade) é a "jugular" (ou AORTA) da Filosofia, mas há quem suponha ser possível viver a felicidade apenas "fora do tempo", assim como perfeito, bom, belo (e, portanto feliz) é o divino. Ele é eterno, imutável, pleno, indivisível.

Faz sentido, embora seja metafísica...

Fora disso, vamos "sofrendo" alegrias e tristezas, pois "nois gosta".