Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Nossa Verdadeira Beleza

Certa vez, num momento em que eu me encontrava completamente desorientado diante da minha vida sentimental, minha irmã me aconselhou: Quer saber se uma pessoa realmente gosta de você? Sim, claro que quero – respondi prontamente. Então ela me disse: Deixe essa pessoa livre, deixe a ir embora e se ela voltar é porque ela realmente te ama. Segui o conselho de minha irmã, e assim como ela disse, o amor se foi, mas depois voltou.

Domingo passado, assinti o musical “A Bela e a Fera” e me lembrei desse ocorrido. Na apresentação, em determinado momento a Bela confessa a Fera que sente saudades do seu pai, ele olha para ela e diz: Bela, você não é mais a minha prisioneira, pode ir ver o seu pai. Ela foi, mas depois voltou porque o amava. Ela conseguiu enxergar além da aparência física e viu que aquela Fera, por dentro era belo e se apaixonou por sua essência.

Às vezes me indago se existem pessoas que ainda dão valor para a essência, para o cerne do individuo. Vivemos num Mundo que valoriza tanto o industrializado, o esculpido e o preestabelecido como padrão, que a cada dia invertamos ainda mais os nosso valores. O que as siliconadas farão quando a moda não for mais o peitão? Ou melhor, o que farão os indivíduos que valorizam o artificial diante de uma oportunidade única de amar e ser amado? Provavelmente deixarão essa oportunidade passar sem se darem conta do que deixaram escapar por suas mãos.

Temos que valorizar as mais simples situações, pois serão delas que nos lembraremos pelo resto de nossas vidas e só uma pessoa bem cuidada pode dentro, com uma beleza interior aflorada tem discernimento de reconhecer quais situações são essas e em que momento elas acontecem. A beleza exterior faz muito bem, mas do que ela vale quando o que somos por dentro desconstrói a nossa beleza estética?

Concurso Cultural – O Armário

Quer ganhar de presente o livro “O Armário” de Fabrício Viana? O Blog Passageiro do Mundo em parceria com o escritor lhe dá esse presente. Para isso, basta responder a pergunta abaixo nos comentários do post “O Armário”. A melhor resposta recebera um exemplar do livro em qualquer lugar do Brasil.

Para você, qual a importância de sair do armário?

As respostas serão aceitas até a meia-noite do dia 19 de maio. A melhor resposta será divulgada no dia 21 de maio, abaixo da resposta é necessário deixar um endereço de email para contato.

8 comentários:

O Entretido disse...

oi marcos.
ainda tem sim por aí muita gente que enxerga além das aparências.
e concordo com vc, o amor saudável não prende ningúem em lugar nenhum.

tommie carioca disse...

Eu não subestimaria a capacidade de amar das pessoas, assim como a capacidade de saber dar valores a outras coisas além do material e/ou superficial. Se o material/superficial existe, é tbm pra ser experimentado, cada um encontra seu tempo de amar na hora adequada, inclusive as siliconadas.

Guy Franco disse...

Já disse, estética tem prazo. Mas não, só vai até os vinte e cinco.

felipemaia disse...

É engraçado que recebi um e-mail esses dias falando de "amar um barrigudinho".
REalmente muito interessante. Um dos argumentos era o seguinte: "conquistar de maneira que exceda a barreira do físico!"

A essência é a que perdura a beleza e os atributos físicos, esses passam logo, logo.

Não entro no mérito se movimentar por saúde, para abandonar o sedentarismo!

:D

Diógenes de Souza disse...

O problema é que nossas referências e educação são meramente visuais. Por isso, infelizmente, a imagem fala mais alto.

Klero disse...

É difícil falar que ninguém liga para a beleza externa. Hipócrita até. A questão é saber não se limitar a ela ou definir o seu padrão pelo padrão dos outros. Beauty is in the eye of the beholder.

Introspective disse...

Marcos, essa reflexão não é só sua. É de um monte de gente! Eu quero acreditar que boa parte das pessoas que perseguem a beleza aprenderá a relativizar isso depois de um tempo, e ver que limitar-se a esse critério é um convite para relacionamentos superficiais, sem afinidade e sem futuro. Mas isso é problema de cada um né...

J. M. disse...

Adorei o post. Traduz exatamente tudo o que penso.