Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

A Dor do Fim

Relacionamentos deveriam ter prazo de validade, um começo e uma data previamente agendada para o termino, e, após isso, continuamos a vida sem grandes agravantes. O rompimento é muito doloroso, muitos comparam a dor da ruptura de uma relação afetiva, com a dor da morte. Quando rompemos, enterramos naquele momento toda uma vida que estaria por vir, os momentos de amor, carinho e reciprocidade, enfim, as trocas que todo o casal tem no decorrer de uma vida a dois. Existem casos que não deveriam ter um começo, meio e fim, devia apenas existir e transcender os limites do tempo. Na verdade, gostaríamos que o "pra sempre" de fato existisse, mas nunca aprendemos que o “pra sempre” sempre acaba e que tudo é eterno enquanto dura.

Meu avô morreu antes do aniversário de 50 anos de casamento, deixou a minha avó sem amparo sentimental. Ele a ensinou a amar, a viver a dois, mas nos quase 50 anos que eles viveram juntos, ele se esqueceu de ensina-lá a viver sozinha, sem o seu cuidado, carinho e dedicação. Fiquei muito triste com a morte do meu avô, não pude ir ao velório e enterro, ele morreu no Paraná e na época não tínhamos condições financeiras favoráveis para que a família inteira viajasse, foi apenas o meu pai. Minha avó morreu um ano e um dia depois por não suportar a convivência consigo mesma, por não reaprender a viver sozinha depois que experimentou a delicia de amar e viver. Sinto saudades dos meus avôs, eles eram carinhosos e nos tratavam com uma particularidade inexplicável.

No enterro da minha avó, eu fui. Isso já tem mais de 15 anos, ela morreu na porta do hospital, não houve tempo para o socorro, ela teve pressão alta e em toda a sua vida, ela nunca apresentou nenhum problema de saúde, era uma velhinha dura na queda. Prefiro dizer que ela morreu de saudades, a pressão alta foi apenas uma resposta que o corpo deu por não agüentar o um ano e um dia que ela passou sem o carinho, com a ausência do meu avô. Fiquei muito abalado quando o caixão desceu a cova, não suportei quando começaram a jogar terra naqueles sete palmos e me refugiei em outro tumulo qualquer, onde olhos alheios não pudessem me alcançar, um primo veio atrás de mim, ele não chorava, creio que suas lágrimas secarram, mas o seu olhar foi confortante, foi um olhar de cumplicidade, que compactuava com a dor que eu estava sentido. Hoje, minha avó descansa ao lado do meu avô.

Nunca estamos prontos para o termino, até mesmo quando recebemos indícios que a relação está chegando ao fim. O rompimento é muito doloroso, ainda mais quando ambos fazem parte do mesmo convívio social, os encontros passam a ser inevitáveis e até mesmo consensuais. Creio que isso ocorre quando no fundo há uma dúvida se o que foi feito é o certo e caso não for, ambos estão ali, no mesmo convívio, sobre certo “domínio”. O fim de uma relação sem intervenção natural da morte pode se chamar de “morte em vida”, pois esse fim representa a ruptura de todos os eventos que viriam a surgir e o cancelamento de todos os planos, até mesmo aqueles que fazemos/fiziamos de forma expontânea, seguindo as rotinas diárias. O fim sempre dói, ainda mais quando existe amor para recomeçar.

6 comentários:

Paulo Braccini disse...

com certeza amigo ... o fim de qualquer coisa é doloroso ... mas enfim ... c'est la vie ...

;-)

André Mans disse...

ninguém jamais estará
mas existem pessoas que assimilam melhor isso...

Paulo Braccini disse...

tem um selo para vc lá no meu blog, caso se interesse é claro ...

abração

;-)

Fabiano (LicoSp) disse...

Todo o fim é doloroso, seja a morte de um ente querido, de um amigo, de um animal de extimação, as vezes até mesmo de um inimigo.

Ja o fim de um relacionamento é doloroso, pois qdo amamos, qdo temos uma vida a 2, temos de reaprender a viver sozinhos, refazer nossos planos.

O fim dos meus 9 anos foram traumaticos por terem ocorrido do nada, mas no geral caminhou bem e hoje rola um relacionamento de amizade.... bom seria se todos os fins fosse o inicio de um novo começo.

bjs

Luck® disse...

Oi, Marcos!

Este texto é muito lindo! Aliás, quantos dos seus não o são?

A gente custa a aprender a amar. Esse fato é apontado por muita gente (claro, é um senso comum, apenas) como um dos motivos para a contemporaneidade viver "doente"; Doente por falta de amor!

Porém, os BRAVOS GUERREIROS que arriscam amar e viver esta capacidade humana, realmente não encaram a separação com facilidade.

Cumplicidades, intimidades, amor, costumes... não sei o que pesa,o que foi acomodação ou o que foi sentimento... Cada caso é um caso, mas fato é que há algo que justifique a dor.

A pergunta que me faço ao ler sua postagem é: PRECISAMOS aprender, ou ainda, preparar o outro para essa possibilidade?

Tirar da pessoa a capacidade de sentir. Pois é: isso me veio à mente. Claro que vivemos para ser felizes. Mas é feliz a pessoa que teve amputado metade de seus sentimentos?

Minha avó materna morreu antes de meu avô, que foi desenvolver um câncer dois anos depois da viuvez e sofreu um último ano.

Desde a separação, foi ficando deprimido. Ai de alguém comentar com um mínino de profundidade no nome de sua companheira e seus olhos enchiam-se de lágrimas, sua voz embargava.

Bem, apesar de um pouco mais tarde, também nós da família, percebemos que o senhor Dinand começou a apagar sua luz assim que juntou as alianças no mesmo anelar.

Ninguém mais - filhos, netos, amigos, vizinhos - queria sofrer a perda do pai, avô e amigo... Mas seria justo desejar que ele tivesse extraído o sentimento de perda, de saudade... De chorar por alguém que amou?

Meu caro, "Orfeu e Eurídice" me faz considerar que meu avô morreu neste mundo para viver com a amada no outro.

E se for isso apenas poesia, que forma bonita de respeitar o amor que será eterno!

Nicuri disse...

Oi!
Acabei caindo por acaso aqui no blog e curti muito.
Os textos estão muito bons e com muita qualidade.
Parabéns pelo blog.
Está favoritado.
Pi.