Pesquisar este blog

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Entre Quatro Paredes – Casa das Rosas

Nesse final de semana conheci a Casa das Rosas, na Avenida Paulista, a casa linda, a arquitetura fantástica. Fiquei pensando quem poderia ter residido naquela casa, e fui pesquisar no Google a respeito e encontrei algumas informações interessantes:

- A Casa das Rosas foi projetada pelo escritório de arquitetura do Ramos de Azevedo.

- A construção foi finalizada em 1935 e foi construída para ser residência da filha do celebre arquiteto paulista.

- O imóvel foi desapropriado pelo governo do Estado de São Paulo em 1986, até essa data ele foi habitado.

- Em 1991 foi inaugurado um espaço cultural batizado de “Casa das Rosas”, e o espaço recebeu esse nome em menção ao maior jardim de rosas que existia no local.

- Em 2004 a Casa passou a se chamar Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, porém o senso comum jamais deixará de chamar o espaço de “Casa das Rosas”, tanto que a atual administração faz menção ao nome “Casa das Rosas” acima do nome oficial.

Na Casa das Rosas fui assistir ao espetáculo “Entre Quatro Paredes”, fui com o meu amado Douglas, chegamos bem cedo, pois na semana anterior nos fomos, e não conseguimos ingressos, a peça está sendo um sucesso... Antes de começar o espetáculo, o Douglas me questionou o porquê o espaço que a peça está sendo apresentado é tão pequeno, eu disse que era uma peça interativa, e que nos iríamos fazer parte da apresentação, ele não gostou da história e falou que não entraria, eu desmenti, disse que era uma brincadeira.

A peça começou pontualmente às 21h30min, e espaço é improvisado, a noite de sexta feira passada estava quente, o espaço era fechado e abafado, não havia muita ventilação. A peça é baseada no trabalho de Sartre, retrata a história de um homem e duas mulheres que estão no purgatório... Depois expliquei para o Douglas sobre a interatividade da peça e comentei: Nos estamos no inferno. Uma das atrizes não tinha expressão alguma, o cenário é horrível, enfim, é um espaço improvisado, com um cenário e atores improvisados. O que salva a peça é o maravilhoso texto de Jean-Paul Sartre.

No sábado fomos ao cinema, assistimos “A Guerra dos Rochas”, é um filme que não perde em nada para programas humorísticos como o Zorra Total. O filme é cheio de clichês pra lá de batidos, o filme está repleto de atores globais que fazem novelas e seriados muito bem, porém filmes, deixa a desejar... Culturalmente, o final de semana não foi muito atrativo, o que salvou foram os ingressos que compramos para o espetáculo FuerzaBruta – Boys in The Pool, o grupo argentino fará uma apresentação especial para o publico gay nessa sexta feira, os ingressos para o FuerzaBruta também vale como entrada Vip para a The Week no dia 01 de novembro, o espetáculo será show, estou empolgadíssimo, e o Doug também.

8 comentários:

Serginho Tavares disse...

ainda bem que houve o fuerza bruta
todos estão falando super bem
esse guerra dos rocha eu imagino que deve ser uma bomba mesmo. com direção de jorge fernando o que esperar? mas nem com o ary fontoura o fime se salva? n?


beijos

Klero disse...

ah, eu queria ir na sexta, mas já vi fuerza bruta... não vou repetir, não!
humpf
rs

O VIADO E A TRANSGRESSÃO POÉTICA disse...

A Casa das Rosas é linda, mas não era, nem de longe, a mais bela da Paulista, para mim , o Palacete Sampaio Moreira, alí perto na Teixeira da Silva , era a mais bela, com colunas gregas e um estilo majestático... mas derrubaram no mesmo dia em que derrubaram várias e varias outras, tudo em nome do dinheiro.
Uma pena que você e o Douglas não tenha visto uma boa montagem desse provocante texto. Eu vi uma, ainda nos anos 70 , com a grande Natália Timberg fazendo a lésbica e tenho até hoje o espetáculo na minha memória...
Beijos,
Ricardo
aguieiras2002@yahoo.com.br

Blog do Jean disse...

Olá meu Querido! td bem?

Tempos q eu não coloco comentários aqui no seu blog, álias de ninguém, muita correira.
Mas retornando...
Interessante essa Casa das Rosas, adoro ver e saber de coisas antigas, que de certa forma fizeram parte da nossa história.
Sobre o filme, eu vi anunciar na TV, depois do q vc postou, não me arrisco a ir ver no cinema (rs).
Sobre o espetáculo FuerzaBruta, boa pedida heim!
Abçs...

O Menino que Voa disse...

pois eh... e eu passei viajando pra cá e pra lá! mas eh assim mesmo. ganha-se umas, perde-se outras! Mas eu adoro teatro. Queria ter oportunidade de ir mais vezes. Abreijos!

Thiago Brandão disse...

Oi Marcos, aqui é o Thiago, desculpa minha ausência, nunca mais falei com você, quanta falta de consideração...nossa, às vezes passo bem rápido aqui no seu site só pra ver o que anda pela sua cabeça, rsrs. Não esquecí de você, rapaz. Você é muito foda. Gostaria de manter contato, amizade, se você quiser claro. Beijosmedáumreply =*

Pedro disse...

Ver peça ruim em lugar alternativo desconfortável é pior ainda neh, aqui em BH teve uma fase, ainda tem alguns remanescentes, que só se fazio peça em lugar alternativo, foi logo depois da vinda do teatro de vertigem, da trílogia bíblica aqui num FIT, foram tantas, mas tantas, que ninguém tava aguentando mais, achava um beco, um buraco abandona, era lá...

Sobre o Furza Bruta, pena que to sem nenum aviagem pra Sampa por agora, to louco pra ver...

BJos!

Anônimo disse...

a Casa das Rosas é um dos imóveis mais memoraveis de são paulo. conhecer pelos seus comodos e andar pelo jardim externo é uma volta brilhante ao passado.
com certeza é um dos locais mais belos da nossa cidade e merece ser visto e preservado.

Hudson Adriano
Osasco - SP