Pesquisar este blog

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Literatura Paulista

Ontem tive uma noite maravilhosa na presença do meu amado Douglas e do meu amigo Ricardo Aguieiras, fomos no Instituto do Legislativo Paulista – ILP. Fomos à aula inaugural do curso de Literatura Paulista, contamos com a presença do escritor, jornalista, dramaturgo, tradutor, cineasta e ativistas LGBT João Silvério Trevisan. O que dizer sobre o Trevisan? Ele é um excelente escritor, uma figura super querido no meio LGBT, e um cara muito sensível.

O artista recebe o raio e o transforma em luz para toda a sociedade, essa foi uma definição dada pelo Trevisan sobre o artista, achei linda, e acrescento que não são apenas os artistas que são “pára-raios” do mundo, todos nos somos, considero a minha mãe um grande para-raio, muitas das vezes ele me mostrou a luz, transformando suas dores em luz para iluminar a minha vida, para evidenciar o caminho por onde deveria/devo seguir, todos os seres humanos são pára-raios, pois se estamos vivos, lutando, fatalmente já sentimos muitas dores no Mundo, muitos raios já atingiram nossas cabeças. Transformar essas dores em luzes é opcional, muitos ficam apenas com a dor, e não canaliza esses raios para a geração de luz, para a agregação de valor a vida.

Trevisan recitou de forma muito emocional um trecho do final do seu livro “Ana em Veneza” editado em 2004, ao som de uma ópera que o inspirou a escrever o final do livro, Trevisan arrancou lagrimas de muitos dos presentes ao contar a morte de Ana, escrava brasileira, que vendida como escrava para a Europa. Imagino que a morte é como está relatado em “Ana em Veneza”, no final um filme passará na nossa mente, nos lembraremos de momentos importantes e nostálgicos. Quase todas as mortes são submetidas de sofrimento, com a Ana não foi diferente, Ana Brasileira é uma personagem triste e real, relatam as vidas que foram destruídas no Brasil a pouquíssimo tempo atrás, há 120 anos quando ainda se escravizavam os negros nessa nação, mesmo sabendo do final do livro, a recitação de Trevisan de despertou uma enorme vontade de ler o livro.

Estou empolgado com o curso, serão 13 aulas de 3 horas, no final teremos que apresentar um trabalho, na ocasião da apresentação teremos um sarau com um coquetel, não faço idéia do que terei que produzir, provavelmente replicarei o trabalho do curso aqui no blog, sempre gostei do trabalho do Trevisan, seus artigos da G Magazine são magníficos, mas confesso que nunca li um livro dele, sua recitação me despertou um grande interesse em acompanhar mais de perto a sua obra, além do livro “Ana em Venesa”, também quero ler “O Livro do Avesso”, esse livro parece ser muito interessante, ele é um livro sem fim, pois a ultima frase do ultimo capitulo, é a primeira frase da epigrafe do livro, no meio do livro começa uma outra história contestando a primeira, parece ser um livro brilhante, que merecer ser lido, comentado e divulgado.

8 comentários:

RICARDO AGUIEIRAS disse...

Marcos, querido!
Trevisan é um grande presente do Destino que nos foi dado, pena que poucos, pouquíssimos, sabem aproveitar esse presente e valorizar o tanto que o Trevisan merece; um gênio, evidentemente. Mas daqueles ímpares, pois mistura a arte com a sua própria vida, esse é o verdadeiro artista. "Ana em Veneza" é o seu livro mais premiado, mas eu prefiro o primeiro seu, de contos: " O Testamento de Jônatas Deixado a David", tinha acabado de conhecer o Trevisan e ele estava lançando esse livro e foi uma época de muita emoção, Movimento Homossexual também começando por que ele fundou e tudo o mais. "Devassos no Paraíso é perfeito, um verdadeiro patrimônio de quem quer conhecer a História da Homossexualidade no Brasil. E outra pequena obra-prima: "Em Nome do Desejo". O mundo precisa de João Silvério Trevisan. E precisaríamos de mais Trevisan, que tem a coragem de ser autêntico e grandioso como ele só. Ele sofreu muito, inclusive a incompreensão, que é uma das piores dores. Mas continua, aí, se doando ao mundo e às pessoas. Sinto-me feliz que você o tenha conhecido e espero mesmo que leia tudo dele.
Beijos,
Ricardo Aguieiras
aguieiras2002@yahoo.com.br

Mans disse...

já vi uma palestra com o trevisan
esse cara merece todo o nosso respeito

Paulo disse...

Parece bem legal esse curso de Literatura Paulista!! Esse eu curtiria fazer!

E vale lembrar que a Bienal começou ontem também, e vai até o dia 24!! Já estou com o meu roteiro pronto pra feira, você também vai?


abraço!

Râzi disse...

Sabe, eu nunca li nada do Trevisan, também! Vou ver se acho algo liberado pela net!

Eu estava falando com o Lê que não temos uma sessão de literaruta gay nas livrarias...

Um beijão, querido!

Marcos Freitas disse...

Râzi,

Infelizmente não temos mesmo, mas existe uma livraria super simpática na Rua Vieira de Carvalhos, aliás, hoje tomarei um café lá com o meu amigo Ricardo Aguieiras, pois é, lá também tem uma cafeteria super legal, lá tem uma sessão chamada Arco Íris, seria ótimo se todas as livrarias fossem assim.

Wagner disse...

Boa noite Marcos, o seu blog está maravilhoso. Fikei super feliz por saber que você se interessa por literatura e que existem artistas que insistem num mundo cada dia mais complicado para aqueles que preferem refletir a consumir. Parabéns por tudo!
p.s.: Vc sabe me informar se o Trevisan participou de um projeto de incentivo do Governo e recebeu uma viagem para escrever na Europa? Abraços!

RICARDO AGUIEIRAS disse...

Não me (nos) abandone no fim de semana, ok? Sinto sua falta...
Ricardo

Marcos Freitas disse...

Wagner,

Não sei lhe informar se foi do governo, mas ele recebeu uma bolsa para escrever "Ana em Veneza", quando ele escreveu esse livro, ele foi para a Europa para se inspirar com o local e escrever o livro.