Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 4 de março de 2009

No País de Obama

"Barack diz que a mudança não virá se ficarmos esperando pelos outros ou por outro tempo. Nós somos aqueles por quem estivemos esperando. Nós somos a mudança que procuramos... e essa era também a mensagem de Harvey Milk. Ele era muito preocupado com a disparidade entre os-que-têm e os-que-não-têm. E dizia que o Sonho Americano começo no bairro".

Trecho do discurso feito na Rua Castro em memória de Harvey Milk, no dia da estréia do filme "Milk – A Voz da Igualdade”.


A imprensa internacional nunca se voltou tanto para o processo eleitoral dos EUA como ocorreu na ultima eleição. No Brasil, a cobertura das eleições feita pelo jornalista Rodrigo Alvarez ganhou a edição de um livro e foi lançado recentemente pela Editora Nova Fronteira.No País de Obama” relata a experiência do jornalista Rodrigo Alvarez ao cobrir as eleições presidenciais de 2008 que empossou um negro no executivo do país mais importante do Mundo.

Acompanhado pelo cinegrafista Sérgio Telles, Rodrigo percorreu 18 estados norte-americanos em 17 dias, passando pelos maiores colégios eleitorais do país e percorrendo lugares inusitados, como a cidade de Provo, a cidade mais republicana dos EUA. Na eleição presidencial de 2004, Bush recebeu 80% dos votos de Provo, um percentual muito parecido com o da população de brancos da cidade e também com o de seguidores da igreja Jesus Cristo do Santos dos Últimos Dias.

Alvarez inicia sua viagem em São Francisco, na Califórnia, e terminando em Nova Orleans, na Louisiana. A obra mostra um povo aflito por mudanças políticas eficientes, porém somos surpreendidos por pessoas que não fazem a mínima idéia do que está ocorrendo no país e definem seu voto apenas analisando uma herança familiar republicana ou democrata.

A nação americana clama por mudanças, e o resultado das eleições presidências é uma resposta a esse clamor. Se o tempo irá nos dizer que as mudanças ocorreram de fato, pois, por mais assertivas que sejam as decisões político-econômicas tomadas pelo governo norte-americano, sabemos que só veremos o efeito de tais decisões em longo prazo. Resta ao povo americano discernimento para o entendimento da conjuntura política atual.

Barack Obama faz parte do sonho de Martin Luther King, porém a eleição do presidente negro não represente o fim e a reparação de todo o ódio e preconceito disseminado aos afrodescendentes. Em 28 de agosto de 1968, King disse que tinha um sonho de igualdade. Não podemos negar que o cenário mudou e que Barack Obama é uma afirmação dessa mudança. Espero que os sonhos de visionários como Martim Luther King e Harvey Milk torne-se cada vez uma realidade mais presente nos EUA e no Mundo afora.

Dados técnicos

Nome do livro: No País de Obama
Autor: Rodrigo Alvarez
Número de páginas: 192
Formato: 14 x 21
ISBN: 9788520922569
Preço: R$ 24,90

Concurso Cultural – No País de Obama

Quer ganhar de presente o livro “No País de Obama” de Rodrigo Alvarez? O Blog Passageiro do Mundo em parceria com a editora Nova Fronteira lhe dá esse presente. Para isso, basta responder a pergunta abaixo nos comentários do post “No País de Obama”. A melhor resposta recebera um exemplar do livro em qualquer lugar do Brasil.

Você concorda com a colocação que compara o presidente Barack Obama com o militante gay e político Harvey Milk?

As respostas serão aceitas até a meia-noite do dia 11 de março. A melhor resposta será divulgada no dia 13 de março, abaixo da resposta é necessário deixar um endereço de email para contato.

6 comentários:

Serginho Tavares disse...

deve ser bem interessante esse livro
vou ver se consigo participar dessa vez
abração moço

Fabiano (LicoSp) disse...

Gosto deste tipo de literatura que explora os entremeios da politica e da cultura.

Creio que haverão mudanças significativas na sociedade depois de Obama, embora ainda seja cedo para afirmar se boas ou ruins. Embora seja certo para mim que como todo grande império na história da humanidade, esta chegando a vez deste império ruir e q logicamente isso levará muito tempo.

Ele só tem de tomar cuidado para não ser ligado a esta ruina e toda a imagem boa que ele possa gerar vire-se contra todos.

abs

Anônimo disse...

Parcialmente,Milk não tinha vergonha de assumir o que era ou deixar claro o que pensava,o Obama é mais "da calada",imprevissivel naõ diz muito o que pensa,é mais de ir lá fazer e quando as pessoas menos esperam acontece.
Ambos tem algumas ideias em comum como a igualdade que é algo pra ontem nos EUA,mas, não são totalmente iguais,há interresses diferantes,acho.
Uma coisa é certa,Obama vai surpreender o mundo,não esperavamos que essa mudança drastica fosse tão rapida.Esperemos e vejamos.

joshuabatista22@yahoo.com.br

felipemaia disse...

Concordo. O presidente Obama traz em si o ideal de liberdade, ele é um guia que tenta fazer com que as pessoas entendam o que é uma nação, i.e., uma nação é composta por todos os indivíduos, todos os cidadãos e cada um é responsável pelo crescimento, ou não da nação. Harvey Milk era o mesmo. Tentou mostrar que cada um é responsável para o crescimento do todo. Nesse ponto os dois são iguais. Não adianta ficarmos enrustidos e querendo nossos direitos. Temos que ser conscientes de nossa realidade porque até Karl Marx dizia que a revolução na sociedade só acontece quando o cidadão se torna consciente de sua realidade e assim pode mudá-la. Harvey Milk perdeu a vida pra mostrar isso; Barack Obama perdeu a individualidade, hoje representa seu país, pra tentar mostrar o mesmo: a união faz a força.

Marcos Felipe
felipehowards@gmail.com

Wagner disse...

A respeito de Obama, acho a comparação absolutamente plausível; trata-se de dois homens com ideais e comprometidos na luta por um mundo melhor! Abraços!

John Rômulo disse...

Bom cheguei atrasdo :(
Mas respondendo: Sim eles tem muitas em comum.Os dois representam as quebras de valores preconceituosos em uma sociedade como a norte america que todos nos sabemos em um passado não muito distante era bastante segregada.Mas a postura de Obama é diferente da tomada por Milk:Obama nunca usou sua origem negra como a bandeira de luta para ser eleito presidente ao contrario de milk que usou sua condição sexual como forma de apelo para ser eleito ao cargo!
São homens incriveise represetam a evolução.

meu blog: www.johnrmulo.blogspot.com