Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 2 de junho de 2009

Homofobia: Em Nome de Deus Pode

Quase um ano depois em que três milhões de gays foram às ruas de São Paulo protestar que “Homofobia Mata – Por um Estado Laico de Fato”, temos a grande decepção que estamos longe de viver num Estado laico, num Estado onde os poderes da igreja se separam dos poderes do Estado. Estamos pagando por não fazermos políticas públicas, por entregarmos a nossa sorte nas mãos de padres, pastores e bispos. Entregamos a eles o que temos de mais importante no que tange os direitos dos cidadãos, o nosso voto, o direito de responderem por nos politicamente.

O que me deixa irritado quanto à divulgação do PLC 122/2006, é o fato do projeto ser resumido apenas para crimes de intolerância sexual. Pastores não citam o que a lei alterará nos crimes de intolerância religiosa, eles não estão interessados nisso, querem continuar com o direito de discriminar, ofender e excluir os gays em nome de Deus. O projeto prevê punições para crimes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero.

Devido às pressões dos parlamentares da frente religiosa, a senadora Fátima Cleide (PT – RO) - relatora do projeto - irá apresentar um substitutivo para evitar o seu engavetamento, ou seja, se o projeto continuar prevendo crime de intolerância aos pastores e padres que expressão a homossexualidade como uma aberração, uma anormalidade a espécie humana, ele será barrado, e para evitar isso, a senadora irá fazer algumas modificações no texto, garantindo a livre expressão de religiosos ofenderam e discriminarem em nome de Deus e saírem ilesos.

Temos que exercer a nossa cidadania em favor da aprovação do PLC 122/2006 e ligarmos para o Senado Federal (0800 61 22 11) e pedirmos aos senadores de todo o Brasil para votarem a favor da liberdade de viver, a favor da criminalização da discriminação contra a comunidade Gay e os demais “grupos de minorias” que o projeto contempla. No TeleSenado, a telefonista irá pedir-lhe o seu nome completo, CPF e CEP da sua residência, esses dados são para evitar que a mesma pessoa utilize diversas vezes o serviço com o mesmo objetivo. Caso não se lembre dos senadores que representam o seu Estado, não se preocupe, pois a telefonista também irá lhe informar quais sãos os seus senadores. Em São Paulo, somos representados pelos Senadores Aloizio Mercadante, Eduardo Suplicy e Romeu Tuma.

Divulgue essa mensagem. Vamos fazer uma corrente entre blogs para que essa informação chegue ao maior numero de pessoas possíveis. Quem é contra a homofobia, é a favor da vida. Temos que lutar para que o projeto seja aprovado sem nenhuma concessão, sem nenhum substitutivo. Não podemos admitir que sejamos discriminados em nome de Deus por religiosos ungidos pelo ódio.

13 comentários:

O VIADO E A TRANSGRESSÃO POÉTICA disse...

Marcos, eu havia entendido que a senadora já iria, de todo o modo, retirar o projeto para mudanças, por que, se ele for a votação perderemos. Por favor, poderia me orientar qual é a real situação agora?
Obrigado,
Ricardo
aguieiras2002@yahoo.com.br

Marcos Freitas disse...

Ricardo,

O que a Senadora irá fazer, é apresentar um substutivo ao texto, ou seja, o texto será modificado e voltará para a apreciação do senado.

Mariposo-L disse...

Olha não quero desanimar vc , mas o texto dessa lei foi mal escrito, desde quando homossexualismo e religião combinam , só escondido dentro de 4 paredes, acho que que desde o inicio essa lei esbarra em erros um erro atras do outro está sendo mal articulada. mal divulgada .. enfim acho que deveria passar um branquinho e começar de novo esquecendo a igreja é claro. Acho que é uma chance importante que foi mal trabalhada . Mas minha ligação para aquele bando de energumênicos de brasília foi feita .

Paulo R. F. Braccini disse...

parabéns . pertinente e oportuno . que se forme consciência no meio e que cada um de nós assuma a sua responsabilidade na luta . estou apoiando e participando do movimento.

bjux

;-)

Fabiano (LicoSp) disse...

Isso é realmente complicado. Será que um dia a igreja vai chegar e pedir perdão como teve de fazer com tantas outras injustiças?

Mas temos de considerar o seguinte fato. A maioria dos gays querem apenas curtição e não está nem ai... vide que mais de 3 milhoes vao para rua beijar, dançar, pular, mas não tem coragem de lutar pelos seus direitos.

Como dizem por ai, tem de se #@$@#$ mesmo, infelizmente o povo brasileiro é pacato D+.

bjs do Lico

Beto disse...

POR QUE O HOMEM GOSTA DE COMPLICAR TANTO AS COISAS??????
EU REALMENTE NÃO ENTENDO... AONDE VAMOS PARAR COM ISSO??? ISSO SE LEVAR A HUMANIDADE PRA ALGUM LUGAR...


.

Rodrigo disse...

Olha, sabe que eu não estou me importando muito com essa lei. Eu acho que processar todo mundo que disser alguma coisa contra os gays não ajuda em nada, a sociedade precisa ser reeducada desde criança, para aprender a aceitar e entender melhor os gls.

Marcos Freitas disse...

Rodrigo,

As leis tem um caráter educativo, vivemos num estado de direito e não há como promover a educação sem a restrição, e essa restrição se dá com as leis.

Luck® disse...

Ricardo, sobre seu comentário no Blog Passageiro do Mundo:

"Marcos, eu havia entendido que a senadora já iria, de todo o modo, retirar o projeto para mudanças, por que, se ele for a votação perderemos. Por favor, poderia me orientar qual é a real situação agora?
Obrigado,
Ricardo"

O substitutivo foi decisão da Senadora, que temeu a não aprovação do Projeto pelas pressões, por exemplo, de Crivella. Ela não iria, à priori, modificar o texto caso não houvesse tal resistência, penso.


Mas há aí um espaço para refletirmos:

1. Ela, desta forma, cederia às pressões das instituições religiosas apresentando um PL "atenuado" mas que tem chance de ser aprovado.

a. Isso é ótimo/ bom/ ruim?
b. É alguma coisa/ Primeiro passo?
c. Não, não conseguimos a equidade ainda, desse modo?

2. Ela poderia "trucar" a oposição ao PL, colocando-o para votação assim mesmo. Deste modo, as populações LGBT saberia quem são os políticos a favor e quem são os contra.

Pois veja, os ortodoxos religiosos não são maioria no senado. Por isso se ela usasse dessa estratégia, saberíamos quem é contra, mesmo aqueles que até agora "se escondem" e não querem se dispor contra os LGBTs por questões políticas/ eleitoreiras.

Sem que ela tenho optado por isso, perdemos a chance de saber quem levantaria a bandeira contra LGBTs e, se o temor desse caras fosse grande, eles acabariam por votar a favor eteríamos o PROJETO original aprovado.

A Senadora FATIMA CLEIDE, que não deve ser ingênua, agiu mal, na minha opinião.

Abraço!

Luciano de Almeida Peruci.
http://sampadamaejoana.blogspot.com/

Anônimo disse...

Peraí, falar que a Igreja persegue os homossexuais, tem que ter cuidado, pois não aceitar o homossexualismo como forma de vida não é preconceito, hoje temos 3 leis (no Brasil), que nos seguem até a morte, 1 estatuto da criança e do adolecente, 2 leis (civil, criminal e outras), 3 estatudo do idoso, iremos ter uma 4 lei só para alguns "previlegiados", e cade a expressão "todos somos iguais perante a lei", será que com essa lei os homossexuais não estão se considerando diferente? Se matar uma pessoa já é crime, agora se matar um homossexual é um crime só que diferente, os homossexuais tem que entender que a Igreja não é contra os homossexuais, mas sim contra o homossexualismo (união entre duas pessoas do mesmo sexo) só isso, dizer que a Igreja é homofóbica "(homo= igual, fobia=do Grego φόβος "medo"), é um termo utilizado para identificar o ódio, a aversão ou a discriminação de uma pessoa contra homossexuais e, consequentemente, contra a homossexualidade, e que pode incluir formas sutis, silenciosas e insidiosas de preconceito e discriminação contra homossexuais.", não vejo a Igreja perseguindo os Homossexuais para matar, apenas não aprovam os seus ideais, ser contra uma lei não é ser contra a uma pessoa.

Marcos Freitas disse...

Anonimo, seria ótimo se você lesse e entendesse o projeto antes de comentar no do mesmo, ele não se trata de um "estatuto para homossexuais" e sim uma lei q defende gays contra crimes de ódio, não só gays, mas religiosos também, como aquele caso que os jovens evagélicos invadiram um templo espirita e destruiu tudo, no rio de janeiro, lembra-se?

Matar um gay pelo fato dele ser gay é um crime de ódio e temos que criminalizar isso.

Anônimo disse...

Matar uma pessoa sem homossexual, sendo heterossexual, sendo religioso, sendo brasileiro, sendo criança... não é um crime de ódio? Se eu não me engano já existe uma lei para isso.

Marcos Freitas disse...

Nesse caso você se engana, sugiro estudar mais a respeito para depois opinar no assunto em questão.