Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Falofobia: O Medo do Pênis

Confesso que existem algumas fobias estranhas, como a coulrofobia (medo de palhaços) e a fobofobia (medo dos próprios medos), porém não cabe a ninguém julgar. Eu por exemplo tenho fobia a alguns repteis, mas pesquisando pela internet descobri que essas fobias não são consideradas patológicas por alguns psicólogos e que nem existe uma classificação para um dos meus maiores medo, que é o medo de jacaré. No geral, eu sofro de Herpetofobia, pois tenho medo de quase todos os tipos de repteis. Antigamente tinha medo de lagartixa, mas depois que descobri a função social delas, trabalhei melhor isso.

Um tipo de fobia que chamou a minha atenção, até mesmo por sua raridade, é a falofobia (Falo + fobia = pênis + aversão (mais que medo)). Ou seja, é o medo irracional do membro masculino e das situações a ele relacionadas. Nesse tipo de fobia, quando a pessoa portadora da mesma é exposta ao pênis ela fica paralisada, tem taquicardia, sudorese, tremores, sensação de desmaio e até o próprio desmaio. Esses sintomas lembram uma crise de pânico. A falofobia pode acontecer com homens e mulheres e nem sempre é ocasionada por conta de uma violência sofrida.

Não podemos confundir a falofobia com a fobia sexual, a aversão pela relação sexual, pois ela vai além e em muitos casos os portadores de falofobia ao olharem para um pênis já desencadeiam os sentimentos de repulsa, ansiedade e medo, muito não conseguem nem imaginar envolvendo-se em uma relação sexual. Certa vez, ouvi um caso de um rapaz que foi violentado por três "colegas" de faculdade, depois do ocorrido ele teve que passar por tratamentos psicológicos e mesmo sendo gay, não conseguiu se relacionar de forma passiva em suas relações sexuais.

A falofobia pode ser tratada, assim como qualquer outra dificuldade sexual, mas para isso, é necessário que haja em primeiro lugar a motivação pessoal. A conversa sobre o assunto também é um grande passo em busca da melhora. O primeiro passo do tratamento é verificar o limite de ansiedade e depois traçar a melhor forma de terapia para o caso. Os valores sociais atribuídos pela nossa sociedade que se baseia nos valores judaico-cristão dificultam esses tipos de tratamento, antes de qualquer coisa, os pacientes que sofrem dessas dificuldades sexuais têm que se libertarem dos tabus sexuais que lhes são impostos. Ter qualquer tipo de medo não é vergonha, lembre-se que o medo de exteriorizar o que sente é um tipo de fobia (fobofobi) que também pode ser tratada.

3 comentários:

FOXX disse...

nossa!
informativo!

Paulo Braccini disse...

como sempre oportuno e relevante sua postagem ... são problemas que, se não encarados de frente podem destruir toda uma vida ...

momento descontração: qdo vejo um falo também tenho sudorese, taquicardia, stress, sensação de q vou morrer ... risos ... mas no meu caso não é falofobia ... é taradice mesmo ... kkkkkkkkkkkk

bjux

;-)

Serginho Tavares disse...

falofobia ou sapatonismo pra mim é a mesma coisa
huahuahuahuahua