Pesquisar este blog

terça-feira, 29 de julho de 2008

Antes de Melhorar, a Tendência é Piorar...

Certa vez o meu pai me disse que antes de ocorrer uma melhora significativa em nossas vidas, as situações têm que piorar muito, nesse final de semana ouvi essa expressão no filme "Batman – O Cavalheiro das Trevas" e lembrei do termo usando pelo meu pai, fiquei pensando a respeito, e vi que tal situação estão ligado a história da humanidade, não precisamos ir muito longe para percebermos isso, só basta analisarmos o cenário pós guerra na primeira e segunda guerra mundial, depois de muita destruição, de muitos pesares e sofrimento, as pessoas e sociedades se reerguem, constroem impérios, fazem riquezas, basta observarmos a prosperidade dos países envolvidos nas duas grandes guerras, em destaque o Japão que saiu da Segunda Guerra completamente destruído, e hoje é uma potencia Mundial, a nação saiu da guerra com o sonho de reconstrução, com o orgulho ferido, e quando esse dois fatores se unem, o resultado é muito positivo, ninguém pode subestimar um homem com o orgulho ferido e a necessidade de reconstruir sua vida.

Na nossa vida pessoal também acontece da mesma forma, quando estamos numa situação de adversidades, nos fortalecemos e reerguemos em meio as pó com forças que jamais ousaríamos ter numa situação de marasmo, as dificuldades nos fortalecem, nos mostra o que não vemos no cotidiano, a nossa fé é ressaltada, e muitas das vezes nos tornamos inatingíveis, fato inexplicável para quem está de fora, que não compactua com a nossa luta e pesares.

Hoje posso não ter tido o dia mais feliz da minha vida, mas o que me conforta é saber que amanhã terei um novo dia, terei mais 24 horas dada por Deus para poder ter novas estratégias, fazer tudo diferente. Temos sorte de termos esses pequenos ciclos que é o dia, onde esperanças nascem com o amanhecer e com a ânsia de fazer tudo novo, tudo diferente, hoje tenho em mente que se algo está muito ruim, é porque está chegando à hora do melhor da vida se apresentar, e os incômodos antigos que estão tornando-se impossíveis de se lidar, terão que dar lugares para as novidades de vida.

Nesse momento, pouco me importo com as adversidades, pois em meio a elas, nasce a certeza de que tudo na vida é “Passageiro”, que passamos por situações para termos um aprendizado para lidarmos com o melhor da vida que está por vir, minha história me garante isso, quando olho pra trás vejo o quando cresci pessoalmente e socialmente, mas o crescimento foi cíclico, durante esse período tive quedas bruscas na qual imaginei que iria para o fundo o poço, algumas vezes não ficou apenas na imaginação, fui para o fundo do poço, e garanto, é um excelente lugar para recomeçar nossa vida, é um lugar oportuno para avaliarmos o nosso crescimento e corrigirmos erros clássicos para não os cometermos mais.

15 comentários:

Alexandre Lucas disse...

O jeito é ser feliz e desncanar das coisas que não podemos mudar. Se cada um fizer sua parte direito, o mundo já melhora muito!

RICARDO AGUIEIRAS disse...

MARCOS, QUERIDO!
Eu concordo, mas em partes... vamos lá:
Ao nível individual, você está falando da "reinvenção", eu concordo: para viver, temos que nos reinventar à cada dia. Principalmente nós, gays, e todos/as os que vivem a experiência do preconceito. Apenas chamo a atenção para uma coisa: Não devemos - nunca - julgar aquele ou aquela que não consegue, não consegue sair do fundo do poço. Isso vai da história pessoal de cada um, das oportunidades ou não que tiveram, do apoio ou não de amigos e de familiares. Infelizmente, para muitos/as, o fundo do poço pode ser um caminho sem volta. Proponho olhar para essas pessoas sem julgamento e com carinho.
O Japão saiu da 2ª Guerra e virou uma potência, sim. Mas não invejo nem gostaria de viver lá. o jornalista Marcos Lacerda, gay e muito talentoso, foi viver lá por uns anos, como correspondente de uma revista brasileira, que eu me lembro , a "Época". Escreveu um polêmico livro "Favela Hight-Tech", onde ele relata como é a vida no Japão. E, sinceramente, para atingirem uma excelência tecnológica o Japão abriu mão de um monte de valores humanos e de conforto, você não conseguiria viver lá. É triste e sufocante. Trabalha-se demais, não existe lugar para sentimento. Fora do Japão os/as japoneses me parecem mais felizes: são extremamente simpáticos, sorridentes e solidários. Mas não lá...
Beijos,
Ricardo
aguieiras2002@yahoo.com.br

Marcos Freitas disse...

Ricardo,

Sim, concordo com o seu posicionamento, o fundo do poço sem o apóio de pessoas queridas, pode ser sim um caminho sem volta, mas o que eu quis frisar é que quando estamos dispostos a algo nos tornamos mais fortes em meio as adversidades, é claro que para isso precisamos de amparo, nenhum homem é uma ilha, uma fortaleza.

Quanto ao Japão, concordo contigo, é uma sociedade fechada que leva muitos dos seus filhos a loucura e ao suícidio, eles tiveram suas escolhas, escolheram a prosperidade e deixaram de lado o social, mas a volta por cima que eles derão, os moldes do Just in Time que eles implantaram, o novo modelo produtivo que veio contrapor do Fordismo e o Taylorismo são méritos inquestionáveis.

Unexpected Boy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unexpected Boy disse...

Acho que há muitas coisas que nós ainda precisamos compreender, assim como você mesmo me disse em outro comentário. Mas tem uma outra máxima que também me parece muito interessante. É aquela que diz que uma súbita melhora é o prenúncio do fim.

Sabe, Marcos, você, seu pai e o filme do Batman tem razão. Mas temos que tomar cuidado com este ditado por dois motivos.

1 - Vejamos o caso do Japão e da Alemanha, mais do primeiro que do segundo. São paises que economicamente representam ícones de poder e evolução tecnológica? Sim. Porém se olharmos mais de perto, o que isso realmente significa? Especialmente no caso do Japão, são paises de cultura social muito retraída e introspectiva. Repleta de tabus. Muitas vezes podemos até chamá-los de retrógrados no que diz respeito ao comportamento. E isso também é resultado de toda essa transformação política que é efeito pós-guerra. Lógico isso não acontece só com uma nação, mas com cada um de nós. Quando passamos por algum trauma muito grande, há aqueles que sucumbem e aqueles que tiram o melhor da situação, mas ambos ficarão marcados e estas marcas gerarão bloqueios no futuro que levarão muito tempo para serem quebrados. São os dois lados de uma mesma moeda...
2 - Outro ponto para o qual eu quero chamar a atenção é o fundamentalismo, sei que talvez nem seja isso que você tem em mente, muito menos o foco do post, mas acho sempre bom a gente agregar mais informações, certo?
Vejamos o islamismo, mais especificamente o Talibã. Eles estão de pleno acordo com esta frase, até mais do que deveriam. Boa parte dos comportamentos extremistas que eles tem se dão justamente por acreditarem piamente nesta concepção. E por pensarem desta forma eles vão ao extremo de achar que um,a limpeza étnica ou atentados terroristas, por exemplo, causariam tal impacto que chegariam ao ponto de mudarem a face do mundo e como todos vêem as coisas. Não discordo, pois isso de fato aconteceria, mas a que preço? E será que não há outras formas de evoluirmos na vida? Como educador tenho que... E acredito que há outras maneiras.

Por fim, ...pais (pai, mãe ou responsável), não sei se você também, mas ao menos eu, aos meus, tenho uma eterna gratidão por tudo que eu sou e por tudo do que me orgulho em mim.

Grande abraço, Marcos!

["Nunca digo as coisas como uma verdade, apenas como uma sugestão momentânea" (OLIVEIRA, David B.)]

uomini disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
uomini disse...

Será? Por esse raciocínio o continente africano (arrasado por guerras pelo o fim do colonialismo) seria o mais rico do mundo. "Orgulho ferido" + "necessidade de reconstruir a vida" + DOUTRINA TRUMAN (Plano Colombo e Plano Marshall) fizeram "milagres"!!!

Marcos Freitas disse...

Uomini,

Entendo perfeitamente o que você quis dizer, mas essa condição não é uma regra, quanto a Africa, sabemos que a situação lá não é das mais favoráveis, porém temos que lembrar que sair do fundo de poço tem aver com a vontade de lidar com tal situação.

Não podemos nos esquecer da Angola que saiu recentemente de uma guerra e está em reconstrução, a muito o q melhorar no país, eles estão crescendo, estão saíndo do conformismo e estão com esse sentimento pós guerra.

O Binho Sampa pode validar essa minha linha de pensamento, ele acompanha todo esse crescimento de perto, participa desse crescimento.

AVESSOS disse...

concordo com seu pai no momento estou passando pela fase das piores coisas abracos

kinho disse...

oi meu xará

concordo quando fala que o hoje não pode ser mudado mais o amanhã podemos melhorar otema definição e o crescimento pessoal, social e etc como você falou realmente so o tempo pode ocasionar tal fato.. a nós só cabe viver simplesmente.

bjos kinho


ps. adorei o post parabens.

SAM disse...

Poxa o que é que voce pensar da gente?

Aqui é todo mundo familia ok?
ahuhauhahuahuahuhuuhahuahu

XD

Marcos Freitas disse...

Sam,

Família, tá boa que acredito que a sra. é garota de família.

RICARDO AGUIEIRAS disse...

Espero que a teoria do seu pai esteja certa. Hoje eu tive um dia bem ruim...risos... fui pedir empréstimos em financeiras( Aquele para o meu pai, que te falei ) e eles tratam a gente como se tivesse pedindo esmola. Pior é que você fica 40 minutos na frente do analista, respondendo perguntas e entregando documentos, para, no final, ele te dizer assim:
"Não foi aprovado. O próprio sistema é que aprova"... Aí eu pergunto: "posso perguntar para o gerente do por que da não aprovação?" e ele responde: "Desculpe, mas não adianta. O sistema é que aprova ou recusa..." Meu, fui rejeitado por uma máquina... pelo "sistema"... Buuaáaaaaaaaa.....kkkkkkkkkk
Beijos,
Ricardo
aguieiras2002@yahoo.com.br

Marcos Freitas disse...

Ricardo,

Realmente é revoltante, hoje em dia qualquer um pode ser analista de crédito, pois eles não fazem absolutamente nada, apenas digitam e dão enter para ver o que acontece.

Leo Carioca disse...

Isso se chama catarse.
É quando uma coisa é destruída pra ser econstruída numa versão melhor.