Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 21 de novembro de 2010

Manifestação Contra Homofobia na Av. Paulista

Cheguei no Vão Livre do Masp pouco antes das 15 horas, horário agendado para o inicio da mobilização, momentos após iniciou-se o nosso protesto, com amplo apoio da polícia militar. Várias autoridades e militantes LGBTs estavam presentes, dentre eles os Deputados Estaduais Carlos Giannazi e Ivan Valente; Franco Reinaudo, Coordenador da Diversidade Sexual de São Paulo; Marcos Fernandes, Coordenador da Diversidade Tucana; Beto de Jesus, Secretário Geral do Instituto Edson Néris; Eduardo Piza, Militante LGBT; Irina Bacci, Coordenadora do Centro da Diversidade Sexual; Jean Wyllys, Deputado Federal eleito pelo Estado do Rio de Janeiro, entre outros.

Alguns sites divulgam 100, outros 200 e também li por ai que haviam 300 manifestantes, acredito que na ocasião das considerações, no Vão Livre do Masp, haviam aproximadamente 200 pessoas e quando tomamos uma das faixas da Av. Paulista, sentido o Metrô Brigadeiro, os manifestantes foram chegando e terminamos o ato com aproximadamente 1000 pessoas. Vários carros buzinavam, com motoristas acenando de forma positiva, validando que a homofobia tem que ser criminalizada e que os casos que ocorreram em São Paulo e Rio de Janeiro tem que ser severamente punidos.

Finalizamos a caminhada em frente ao prédio onde o estudante de jornalismo, Luís Alberto, de 23 anos, foi agredido. Reafirmamos naquele local, palco de homofobia, a necessidade de aprovar o PLC 122 e todas as entidades envolvidas se mobilizarão para ter uma audiência com o Governador do Estado de São Paulo e discutir com ele as providências que serão tomadas quanto as agressões ocorridas no domingo passado (14).  Aplaudimos os seguranças que apartaram a briga e encerramos o protesto cantando o hino nacional.

Conviver com a homofobia e o fundamentalismo da sociedade é algo inadmissível.  Mais do que cobrar que os casos sejam apurados e severamente punidos, temos que cobrar políticas sociais para que a homofobia seja minimizada no Brasil. Somos classificados por várias setores da sociedade como doentes e até alguns psicólogos defendem essa tese. A sexualidade é inerente ao ser humano, não escolhermos ser gays ou héteros e se nesse contexto existem doentes, são os fundamentalistas, que não aceitam o que vai contra o que eles julgam como padrão.

3 comentários:

FOXX disse...

precisamos mesmo cobrar que os casos sejam punidos, senão, vai ficar na impunidade de sempre desse pais...

Os Melhores Comercias GLS disse...

Precisamos alem de cobrar..fazer algo.. unirmos na hora do perregue...ja disse....temos q seguir o exemplo das bi americanas, qdo um é ameaçado todos se juntam em bares, boates, ruas etc. unidos somos mais fortes q qqr ganguizinha de merd... temos q nos unir, pra valer!!! estive lá na paulist e fiquei mto orgulhoso... a Parada poderia usar isso como exemplo e resgatar os motivos pela qual ela existe.. Abs!

Anônimo disse...

Ação democrática legitima (a de afirmar que os homossexuais são perseguidos) de pessoas de grande habilidade de Mídia; as quais cito no Blog que vou sugerir no seguimento para conhecimento e avaliação.
Quando digo grande habilidade no saber como tratar Notícias e Informações; isto decorre do fato da maneira ruidosa e coerente como conseguem transformar um fato (lamentável é claro) em um factóide (fato maximizado, ampliado acima da sua real razão de ser) de grande repercussão, como é feito diversas vezes que ocorre algum tipo de agressão a homossexuais; cujos números estão muito aquém das agressões contra a mulher e as mútuas entre torcedores, pelo fato fútil de serem torcedores de Times diferentes... Comento isto aqui como elogio à forma inteligente como os homossexuais trabalham os Meios de Comunicação, reproduzindo aqui e ali elementos de Merchandising para aprovar o PLC 122.
É estranho para mim como os homossexuais que têm dentro da sua comunidade ─ hoje e no decorrer da história ─ pessoas inteligentes como os filósofos gregos homossexuais, o grande retórico Lísias e o inteligentíssimo Aristófanes, autor do Mito do Andrógino ver, obra O Banquete da Platão ─; artistas, intelectuais, pessoas de várias formações acadêmicas e principalmente as da área das Letras; não atentem para o que chamo de estupidez lingüística, que é o chavão acusativo HOMOFÓBICO (de homo-fobia), sabendo-se que homo (latim, homem), homo (grego; igual, semelhante; que é usado em homofobia) e fobia (grego, φόβος ─ medo com ação retro-ativa de fugir). Do que se conclui que: ao chamarmos alguém de homofóbico estaremos dizendo exatamente ser aquele que tem o sentimento de medo (fobia) a vitima desse (o criminoso no exato entendimento do termo) que lhe infunde medo.
Não tenho nada absolutamente nada contra os reais direitos dos homossexuais; entretanto tenho tudo contra O PLC 122 OU A DITA LEI HOMOFÓBICA (este é o título do meu Blog), cujo endereço é www.verdaderespeitoejustica.blogspot.com , no qual, demonstro ser esta lei, não aquilo que defende os direitos dos homossexuais e sim, um odioso instrumento de Censura.
P.S.: Apenas para reforçar como lembrete e gerar interesse ou curiosidade com relação ao Blog citado. CLAUSTRO-FOBIA, FOTO-FOBIA e algumas outras fobias têm plena assertiva nas suas construções, pelo fato óbvio de que quem está enclausurado ou diante de uma forte luz, desesperadamente busca fugir. O que aconteceu com as pessoas que têm conhecimento lingüístico? E o bom senso, o que foi feito dele, quando se mantêm o absurdo chavão chamado HOMOFOBIA, que é exatamente contra aquilo que se quer defender?..
Atenciosamente JORGE VIDAL