Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Sobre Festas e Relacionamentos Desfeitos

Nesse final de semana, fui numa festa de aniversário na casa de um amigo. A festa foi ótima, regada de muito bebida e ótima música. Um ambiente bem diversificado sexualmente, muitas lésbicas, gays e héteros. Um gogoboy foi convidado, entrou no meu da noite vestido de militar, fez a sua performance e foi embora, mas a melhor performance não ficou por conta do gogoboy e sim do convidados.

Estava na fila do banheiro, depois de muitas vodkas e cervejas, ficamos um pouco mais solto. A Mari, minha amiga aniversariante, também estava na fila, eu era o próximo. Quando entrei no banheiro, ela entrou junto e com ela um convidado que não conheço. Devido a movimentação do banheiro, a minha vontade de usa-ló passou e aconteceu algo muito louco. A minha amiga beijou o rapaz e depois ele me beijou, isso seria algo normal, se não fosse pela declaração de que ele era hétero dada após o beijo.

Depois de mais algumas doses de vodka, a Mari chega até nós e diz: O Renato viu o Marcelo beijando o Gustavo e mandou os dois embora. Naquele momento eu fiquei sóbrio, mas como havia tomado muita vodka, logo estava bêbado de novo. O Renato e o Marcelo são casados há mais de 10 anos e o Gustavo é amigo de todos nos. Sem pensar muito fomos ao encontro deles, a briga estava acontecendo, os nervos a flor da pele. Marcelo pediu para ficarmos curtindo a festa e foi embora com o Gustavo.

A festa acabou e o casamento do meu amigo também. Não sei se os relacionamentos afetivos são complicados, ou se somos nós que complicamos tudo, fato é: viver a dois é muito complicado. O amor torna-se insuportável, quando passa a ser uma moeda de troca, na verdade, somos diferentes uns dos outros e não temos as mesmas motivações. Ambos sabiam há tempos que algo estava errado e mesmo não ajustando os seus anseios, preferiram continuar, em nome de vários fatores que não sei enumerar.

A agressividade com a qual os relacionamentos terminam, me assusta. As relações deveriam terminar da mesma forma que começam, aos poucos e com permissão para ir além e não de forma brusca e com a impossibilidade de uma amizade futura. Acabamos magoando, aquela pessoa que um dia amamos ou talvez ainda amamos, pelo fato de não sermos sinceros ao assumir que procurarmos por algo a mais. Muitas das vezes isso só é descoberto, quando os corações já estão despedaçados e com feridas que ficarão por toda a vida.

2 comentários:

FOXX disse...

assim, mas foi um beijo mesmo ou dois amigos brincando?

Marcos Freitas disse...

Foxx,

Um beijo, mas foi mais dois amigos brincando. Depois ele me procurou, para pedir desculpas pelo o que ele tinha dito, eu disse: não lembro que você ter tido nada. Acho que ele pensou em falar alguma coisa ou talvez falou eu eu nem ouvi.